Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 06 de novembro de 2019.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Edição impressa de 06/11/2019. Alterada em 06/11 às 03h00min

Qual o perfil para suportar a tomada de decisão?

Daiana de Souza, contadora, integrante da Comissão de Estudos Contabilidade Gerencial do CRCRS

Daiana de Souza, contadora, integrante da Comissão de Estudos Contabilidade Gerencial do CRCRS


/Acervo Pessoal Divulgação
Daiana de Souza
Contadora, integrante da Comissão deEstudos Contabilidade Gerencial do CRCRS
Contadora, integrante da Comissão deEstudos Contabilidade Gerencial do CRCRS
Para fins gerenciais é importante que cada empresa elabore seus modelos de decisão, de forma que sejam eficazes para corresponder as premissas básicas à gestão com enfoque em resultados, criação de valor e eficácia operacional.
O papel dos gestores e, particularmente do profissional de custos na organização, é aproximar os sistemas de custos das necessidades dos tomadores de decisão, tanto ao fornecer informações úteis e facilmente compreensíveis, como ao educar os seus pares, superiores e subordinados. Para tanto, o gestor preocupado com a temática de custos precisa compreender as diferentes linguagens, ter visão sistêmica da organização e atuar proativamente na operação dos problemas nessa área. Com essas atitudes, esse profissional terá condições de fornecer subsídio para decisão em diferentes contextos e ao mesmo tempo agir preventivamente, em termos de gestão de custos.
As informações de custos em uma organização possuem três grandes usos: fiscal, societário e gerencial. O objetivo fiscal é obter, principalmente, os resultados do exercício, de forma a permitir a apuração dos tributos a pagar. Já para fins societários, a informação de custos permite a avaliação do valor agregado (ou subtraído) pela organização ao capital dos acionistas e outras avaliações correlatas. Por fim, a informação gerencial visa fornecer aos gestores elementos que auxiliem no processo de tomada de decisão.
As informações de custos podem ser utilizadas em três níveis: estratégico, tático e operacional. Em nível estratégico, pode subsidiar a definição de posicionamento, competitividade da empresa. Em nível tático, auxilia na definição e avaliação de custos de produtos e subsidia o planejamento e controle orçamentário. Em nível operacional, por exemplo, oferece informações para o controle e redução de perdas.
A competitividade, isto é, o grau de sucesso com o qual uma organização atinge seus objetivos, depende fundamentalmente do comportamento das pessoas. Por outro lado, a maneira como as informações de custo é apresentada influencia a sua utilização e, depende da cultura organizacional. Por outro lado, a maneira como as informações de custos é apresentada influencia a sua utilização e, depende da cultura organizacional. Empresas com gestão mais profissionalizada tendem a lidar mais facilmente com números e indicadores, enquanto aquelas com menor profissionalização apresentam maiores dificuldades.
O profissional de custos deve ter uma postura proativa, no sentido de ir ao encontro das necessidades do gestor, tanto em termos de características das informações, quanto do contato pessoal com o mesmo. Ainda que a área de custos em particular e a área de contabilidade em geral tenham linguagem própria e eventualmente muito técnica, cabe ao profissional "traduzir" essa linguagem para o entendimento do usuário.
A postura deste profissional deve ser a de um consultor interno. Ele deve levantar as necessidades do usuário, projetar o sistema compatibilizando a disponibilidade de informações e as necessidades levantadas, gerando relatórios úteis, relevantes e facilmente compreensíveis pelo tomador de decisão. O profissional de custos, em geral, não é o tomador de decisão, mas quem processa a informação a ser usada pelo gestor na tomada de decisão.
A contabilidade de custos não pode ser colocada como um elemento isolado ou independente das condições sob as quais as operações são realizadas. Ao reconhecer essa necessidade, o profissional de custos estará a caminho de contribuir efetivamente para a geração de informações confiáveis, relevantes e úteis ao processo decisório dos negócios.
 
leia mais notícias de Contabilidade
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia