Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 13 de fevereiro de 2019.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Empreendedorismo

Edição impressa de 13/02/2019. Alterada em 13/02 às 01h00min

Formalização de pequenos negócios ligados ao Carnaval cresceu 312%

Gabriela e Luciana, criadoras da Conspiração Libertina, desenvolveram tatuagens temporárias para a festa

Gabriela e Luciana, criadoras da Conspiração Libertina, desenvolveram tatuagens temporárias para a festa


/PEDRO LINO/DIVULGAÇÃO/JC
Há três anos, Gabriela Alves e Luciana Lobato enxergaram no Carnaval uma oportunidade para empreender. "Eu e minhas amigas queríamos produtos com a temática feminista e não encontrávamos no mercado alternativas legais, de que nós gostássemos", relembra Gabriela. Da busca, surgiu a ideia para abrir a Conspiração Libertina, marca brasiliense de tatuagens temporárias, adesivos e imãs que tem como slogan "Ativismo que cola. Qualquer superfície como manifesto".
A marca nasceu em setembro de 2015 e, no seu primeiro Carnaval, em 2016, vendeu todos os produtos - que abordam temática de gênero e empoderamento de minorias. "Foi um sucesso absoluto. Esgotamos todo o nosso estoque antes da festa começar. Aí percebemos um nicho e nos organizamos para conquistar esse público", explica Gabriela. Ela e Luciana são designers e as responsáveis pelas ilustrações e frases que estampam as tatuagens. Na coleção do Carnaval de 2019, serão lançados mais 13 desenhos, totalizando 45 tatuagens para os foliões escolherem e de divertirem. O sucesso é tamanho, que parte da nova coleção já esgotou, mas as empreendedoras já aguardam um novo lote para atender a clientela e estampar o Carnaval.
O caso da Conspiração Libertina está em sintonia com o cenário do País que, apesar da crise econômica, viu empreendimentos relacionados às festas populares, em especial o Carnaval, registrarem nos últimos sete anos (2011 a 2018) um aumento de 312% do número de microempreendedores individuais (MEI), nos principais palcos da festa: Recife, Salvador, São Paulo e Rio de Janeiro. Serviços como atividades de tratamento de beleza, serviços ambulantes de alimentação e confecção de peças do vestuário (exceto roupas íntimas e as confeccionadas sob medida), se destacaram em 2018 totalizando, respectivamente, 28.698, 25.586 e 14.839 MEIs nas quatro capitais.
De acordo com a analista do Sebrae Nacional, Maíra Fontenele Santana, a folia é um período muito esperado e tem um forte apelo econômico. Assim, é fundamental que o empreendedor esteja atento para lucrar com a data e fazer com que o momento da compra seja uma experiência positiva. "Cada território poderá ter mais ou menos impacto a partir do investimento realizado na data, mas o retorno é certo. Em pesquisas realizadas em algumas cidades, festas como a virada do ano, natal e carnaval podem gerar cinco vezes o retorno investido." 

Dicas para o negócio fazer sucesso no Carnaval:

1. O Carnaval como oportunidade de negócios exige planejamento. Os foliões costumam planejar o feriado com bastante antecedência.
2. O time tem que estar preparado. Os funcionários precisam garantir que o cliente tenha um saldo positivo de benefício e experiência.
3. Ofereça produtos e serviços que agreguem valor ao seu negócio e promovam momentos ainda melhores para os seus clientes.
4. O empresário deve considerar a situação macroeconômica do País e avaliar possíveis promoções, preços diferenciados ou "pacotes" para grupos maiores.
5. Ofereça serviços complementares ao seu produto ou serviço, que tornem a experiência ainda mais divertida.
6. Amplie o horário de atendimento ou mix de produtos, mas cuidado para não exagerar no estoque.
7. O público da folia é diverso, vai desde crianças até idosos. Lembre-se de pensar na diversidade do público.
8. Personalize seu estabelecimento para oferecer uma experiência sensorial e fidelizar o consumidor.
9. Se for do ramo alimentício, ofereça alimentos compatíveis com as necessidades dos foliões e as elevadas temperaturas do período do ano.
10. No Carnaval, o empreendedor pode identificar esses assuntos e se conectar com o cliente por meio de temas atuais que estão na boca do povo como política, memes, músicas, artistas, entre outros. 

Fonte: Agência Sebrae de Notícias
leia mais notícias de Contabilidade
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia