Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de novembro de 2018.

Jornal do Comércio

JC Contabilidade

COMENTAR | CORRIGIR

Fiscalização

Edição impressa de 07/11/2018. Alterada em 07/11 às 01h00min

Malha da Pessoa Jurídica entra em nova etapa

Foco da operação da Receita Federal agora é a sonegação fiscal

Foco da operação da Receita Federal agora é a sonegação fiscal


/JOÃO MATTOS/ARQUIVO/JC
A Receita Federal iniciou mais uma etapa da malha fina para empresas, agora com foco em sonegação fiscal relativa ao Imposto de Renda e à CSLL (Contribuição Social sobre o Lucro Líquido). O total de indícios de sonegação verificado nesta operação, que considera o ano de 2014, é de R$ 983 milhões e envolve 8.076 contribuintes.
Os indícios constatados nessa ação surgiram a partir do cruzamento de informações eletrônicas com o objetivo de verificar a regularidade do cumprimento das obrigações relativas a esses tributos.
As empresas poderão se autorregularizar até o dia 28 de dezembro. O Fisco diz que enviou cartas às empresas alertando sobre inconsistências encontradas entre as informações declaradas e as escriturações contábeis e fiscais.
Após verificadas as inconsistências, o contribuinte deverá retificar as declarações e apurar os tributos decorrentes dessa retificação, com os devidos acréscimos legais.
A Receita Federal encaminhou, ainda, mensagem para a caixa postal dos contribuintes. Essa mensagem pode ser consultada por meio do e-CAC.
No mesmo endereço eletrônico, o contribuinte poderá, também, consultar o Extrato da Malha Fiscal PJ onde consta o Demonstrativo com as inconsistências encontradas pelo Fisco e as orientações adicionais para sua autorregularização.
Mesmo aqueles que ainda não foram intimados, ao identificarem equívoco na prestação de informações à Receita Federal, podem também promover a autorregularização, evitando, assim, autuações com multas que podem chegar a 225%, além de representação ao Ministério Público Federal por crimes de sonegação fiscal entre outros.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia