Porto Alegre, segunda-feira, 25 de outubro de 2021.
Porto Alegre,
segunda-feira, 25 de outubro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Gestão

- Publicada em 25/10/2021 às 03h00min.

Mais da metade das empresas gaúchas remodelaram o negócio

Empreendedores gaúchos estão apostando em novas habilidades, ferramentas, e até na oferta de novos produtos e serviços como estratégia para se manterem competitivos em meio aos desafios impostos pela pandemia.
Empreendedores gaúchos estão apostando em novas habilidades, ferramentas, e até na oferta de novos produtos e serviços como estratégia para se manterem competitivos em meio aos desafios impostos pela pandemia.
Mais da metade das empresas (57%) informam que remodelaram suas atividades no período, em especial, no que diz respeito à adoção de ferramentas digitais para vendas e relacionamento com o cliente (54%), utilização de trabalho/atendimento remoto (32%), mudança de produto/serviço (29%) e readequação de estrutura física (27%).
Os dados são da 16ª edição da Pesquisa de Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise desenvolvida pelo Sebrae RS e refletem a tendência e o otimismo na retomada de setores significativos da cadeia econômica gaúcha frente à ampliação da vacinação.
"O ambiente de negócios tem melhorado e as oportunidades de novos mercados e expansão de clientes tem surgido para as empresas que se reinventaram durante a pandemia. Por isso, é fundamental continuarmos fomentando as boas iniciativas e oferecendo apoio", afirma o diretor-superintendente do Sebrae RS, André Vanoni de Godoy.
Uma em cada três empresas afirmou que o nível de atividade retornou ou está superando o nível pré-pandemia. O tempo estimado para recuperação é entre 6 e 12 meses para 36% dos negócios que ainda não retornaram as atividades aos níveis pré-pandemia.
No que tange a busca por recursos, uma em cada cinco empresas buscou crédito, sendo boa parte para pagar contas (47%), mas também para comprar máquinas e equipamentos (37%), o que indica otimismo por parte destes empreendedores. O valor médio obtido foi de R$ 57,1 mil.
 
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO