Porto Alegre, segunda-feira, 22 de março de 2021.
Dia Mundial da Água.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 22 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Leitura

- Publicada em 03h00min, 22/03/2021.

Finança

SELIC: O mercado brasileiro de dívida pública; Larissa Naves de Deus Dornelas e Fábio Henrique Bittes Terra; Editora Alínea

SELIC: O mercado brasileiro de dívida pública; Larissa Naves de Deus Dornelas e Fábio Henrique Bittes Terra; Editora Alínea


/Reprodução/JC

O livro "SELIC: O mercado brasileiro de dívida pública" apresenta o mercado Selic desde sua origem até seu funcionamento atual. Na obra, discutem-se características dele e suas ressonâncias sobre o Sistema Financeiro Nacional, tais como os investimentos financeiros no país serem essencialmente de curto prazo, as taxas de juros cobradas pelos bancos e instituições financeiras para fornecer crédito ao público, as dificuldades impostas ao desenvolvimento do mercado de capitais no Brasil, entre outras.

O livro "SELIC: O mercado brasileiro de dívida pública" apresenta o mercado Selic desde sua origem até seu funcionamento atual. Na obra, discutem-se características dele e suas ressonâncias sobre o Sistema Financeiro Nacional, tais como os investimentos financeiros no país serem essencialmente de curto prazo, as taxas de juros cobradas pelos bancos e instituições financeiras para fornecer crédito ao público, as dificuldades impostas ao desenvolvimento do mercado de capitais no Brasil, entre outras.

O Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic), instituído no ano de 1979, marcou a criação do mercado de dívida pública no Brasil, em que se realizam as operações de mercado aberto da política monetária, bem como os financiamentos de déficits e administração de dívida do Tesouro Nacional. Contudo, o mercado Selic não é um tema comum no debate econômico brasileiro, mesmo que diversos elementos como a taxa Selic, as operações compromissadas do Banco Central, os leilões de títulos do Tesouro Nacional, que são inerentes a ele, estejam costumeiramente nos meios de comunicação e na análise especializada em economia.

O objetivo da obra é retratar o mercado Selic de forma simples e didática, servindo ao leitor que busca conhecimentos na área de Economia e Finanças, ao público acadêmico especializado em Economia e a quem se interessa pelo tema.

SELIC: O mercado brasileiro de dívida pública; Larissa Naves de Deus Dornelas e Fábio Henrique Bittes Terra; Editora Alínea; 134 páginas; R$ 49,00; Disponível em
versão digital.

Economia

O essencial de Milton Friedman; Steven E. Landsburg; Editora Faro Editorial
O essencial de Milton Friedman; Steven E. Landsburg; Editora Faro Editorial
/Reprodução/JC

Por ter mudado a forma como outras pessoas pensam, Milton Friedman foi considerado um dos economistas mais influentes de todos os tempos. Ele modificou a maneira como seus pares pensam sobre consumo, dinheiro, política de estabilização e desemprego. Friedman demonstrou o poder de se comprometer com algumas suposições simples sobre o comportamento humano e então perseguir implacavelmente suas implicações lógicas.

"O essencial de Milton Friedman" foi escrito por Steven E. Landsburg, que é professor de economia da Universidade de Rochester e autor de diversos livros sobre economia, matemática e filosofia. Além disso, escreve regularmente para a revista Forbes, The Wall Street Journal, The New York Times e outras publicações. A obra serve como uma introdução e, também, uma síntese do trabalho desenvolvido por Friedman em mais de 60 anos de carreira, período em que desenvolveu e ensinou novas maneiras de interpretar dados, testando suas teorias por meio de sua capacidade de explicar vários fenômenos díspares.

A influência de Milton Friedman se estendeu além dos economistas. Ele foi o principal defensor da liberdade econômica e pessoal. Por meio de seus escritos e aparições na mídia, educou pessoas sobre como os mercados funcionam e como os governos falham. Ele restaurou a respeitabilidade das noções liberais clássicas que haviam sido desfeitas, e o fez transmitindo uma compreensão profunda e duradoura das próprias ideias.

O essencial de Milton Friedman; Steven E. Landsburg; Editora Faro Editorial;
112 páginas; R$ 29,90.

Sociedade

Igual-Desigual: História e Economia das desigualdades antes, durante e após a Pandemia; Diversos autores; Editora Hucitec
Igual-Desigual: História e Economia das desigualdades antes, durante e após a Pandemia; Diversos autores; Editora Hucitec
/Reprodução/JC

À luz da Ciência Econômica e da História, o livro "Igual-Desigual: História e Economia das desigualdades antes, durante e após a Pandemia" descortina as muitas faces da desigualdade, agora em maior evidência pelos efeitos visíveis da pandemia. Ao promover o encontro da Economia com a História a obra pretende, então, oferecer indícios sobre os motivos que explicam o fato de que estávamos vivendo num "mundo doente" e sinalizar possíveis caminhos que propiciem uma busca por um novo equilíbrio com os desafios postos pela pandemia.

Organizado pelo economista João Felippe Cury M. Mathias e pelo historiador Luiz Fernando Saraiva, o livro conta com prefácio de Pedro Fernando Nery e é, também, uma obra que promove o encontro da Economia com a História, possibilitado a partir das redes de afeto acadêmicas que uniram, em grande medida, pesquisadores de várias instituições de pesquisa do Brasil e do mundo. É um encontro plural, interdisciplinar, igual e desigual por essência e intenção dos autores.

O vasto grupo de autores inclui, desde jovens pesquisadores, a professores eméritos já aposentados. Inclui em sua diversidade, velhos socialistas, sociais-democratas convictos, bem como igualitaristas liberais. Este tema é amplo e complexo o suficiente para receber a contribuição de múltiplas ideologias.

Igual-Desigual: História e Economia das desigualdades antes, durante e após a Pandemia; Diversos autores; Editora Hucitec; 416 páginas; R$ 68,00.

Comentários CORRIGIR TEXTO