Porto Alegre, segunda-feira, 08 de março de 2021.
Dia Internacional da Mulher.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 08 de março de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

finanças

- Publicada em 03h00min, 08/03/2021.

'Dinheiro não é só para acumular', diz especialista em mesada

Godoy comenta que é importante saber desde pequeno que o dinheiro é feito para atingir objetivos

Godoy comenta que é importante saber desde pequeno que o dinheiro é feito para atingir objetivos


XP Investimentos/Divulgação/JC
Se alguém abrisse a carteira de um adulto de antigamente, ia encontrar lá, além dos documentos da pessoa, várias moedas e notas de dinheiro. Já se a carteira fosse de um adulto de hoje em dia, o que menos ia ter ali eram notas, mas sobrariam cartões dos mais variados tipos.
Se alguém abrisse a carteira de um adulto de antigamente, ia encontrar lá, além dos documentos da pessoa, várias moedas e notas de dinheiro. Já se a carteira fosse de um adulto de hoje em dia, o que menos ia ter ali eram notas, mas sobrariam cartões dos mais variados tipos.
Cada vez mais, as cédulas, como é chamado o dinheiro em papel, estão dando lugar a outros tipos de pagamento das coisas. Além dos cartões, já é normal comprar usando só a internet, por exemplo.
Só que, quando a gente não consegue enxergar uma coisa, fica um pouco mais complicado de entender o que ela é ou como ela funciona. Por isso, quando as crianças começam a lidar com o dinheiro, recebendo mesada ou pensando em comprar algo, uma boa ideia é que os pais ajudem nesse aprendizado mostrando o dinheiro físico, com notas e moedinhas.
Quem dá essa dica é Tiago Godoy, chefe do departamento de Finanças Pessoais da XP Investimentos. Ele explica que, para que todo mundo cresça sabendo usar melhor o dinheiro, a primeira providência é entender que ele é não é infinito. "As famílias mostram que o dinheiro vem do trabalho. As crianças aprendem como se usa, e que usar o dinheiro é uma escolha", fala Tiago.
Ele diz que é importante conversar sobre dinheiro com os pais e responsáveis sempre que der vontade. Não só para tirar dúvidas, mas para evitar que este tema se torne um tabu, que é como os adultos chamam os assuntos que eles acham complicado de falar com os outros.
Luana Borin recebe R$ 40 por mês. Ela tem 11 anos e guarda a mesada para gastar no shopping, ou com dinheiro virtual no videogame. "Eu gosto porque não tenho que ficar pedindo para a minha mãe", diz Luana. "Ela criou essa mentalidade de guardar, porém sempre tem um objetivo com o dinheiro", conta Nathalia Buscarino, mãe da menina.
Tiago Godoy comenta que é importante saber desde pequeno que o dinheiro é feito para atingir objetivos, e não só para ser acumulado. "Criança tem que viver vida de criança, e não pensar em investir na Bolsa", diz.
Outra sugestão de Godoy é que, em vez de mesada, as crianças recebam semanada, porque pode ser difícil esperar tanto tempo quando ainda se é criança. "Vamos supor que a ideia é comprar um joguinho que custa R$ 50. A criança pode anotar o objetivo, e pedir ajuda da família para uma pesquisa sobre o preço", ensina.
Pesquisa feita, é hora das contas. Se a semanada é de R$ 10, vai ser preciso economizar por cinco semanas tudo que entrar no cofrinho. "Se no meio do caminho der vontade de comprar uma bala, e gastarmos parte do dinheiro, vamos ter que entender que o plano inicial foi mudado. Daí volta na anotação e faz a continha de quanto gastou. Depois é preciso comemorar quando conseguir comprar o brinquedo que queria, recompensando o próprio sucesso."
Tiago ainda lembra: a mesada não pode ser um pagamento pelas obrigações. "Não brigar com o irmão, fazer a tarefa da escola e ajudar com as coisas em casa é o certo. E o certo não é remunerável."
 
Comentários CORRIGIR TEXTO