Porto Alegre, segunda-feira, 11 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 11 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 03h00min, 11/01/2021.

Pequenos negócios reduzem atividades e faturamento

Nos últimos meses, mais de 80% dos pequenos negócios estiveram fechados ou com restrições

Nos últimos meses, mais de 80% dos pequenos negócios estiveram fechados ou com restrições


freepik/divulgação/jc
A sétima edição da pesquisa Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise, promovida mensalmente pelo Sebrae RS, faz uma análise retrospectiva do período e mostra como os empreendedores reagiram e estão se posicionando diante dos desafios. O levantamento mostra que, nos últimos meses, mais de 80% das empresas estiveram fechadas ou com restrições de operação. Em decorrência do agravamento na situação da pandemia, houve uma redução das empresas em atividade, passando de 89% em novembro para 86% em dezembro de 2020. Entre as empresas que não funcionaram no último mês do ano, 20% fecharam definitivamente suas portas, enquanto em novembro foram 4%. O percentual de encerramento de atividades em dezembro é o mais alto da série.
A sétima edição da pesquisa Monitoramento dos Pequenos Negócios na Crise, promovida mensalmente pelo Sebrae RS, faz uma análise retrospectiva do período e mostra como os empreendedores reagiram e estão se posicionando diante dos desafios. O levantamento mostra que, nos últimos meses, mais de 80% das empresas estiveram fechadas ou com restrições de operação. Em decorrência do agravamento na situação da pandemia, houve uma redução das empresas em atividade, passando de 89% em novembro para 86% em dezembro de 2020. Entre as empresas que não funcionaram no último mês do ano, 20% fecharam definitivamente suas portas, enquanto em novembro foram 4%. O percentual de encerramento de atividades em dezembro é o mais alto da série.
A remodelagem dos negócios foi uma realidade para boa parte dos empresários ao longo destes últimos meses, atingindo o menor percentual em julho (10%) e o maior em novembro (25%). Em dezembro, 13% sinalizaram estarem remodelando seus negócios. Para alguns a expectativa para os próximos 30 dias não é otimista, e 9% dos entrevistados adiantaram que irão encerrar as atividades. Os setores de comércio e serviços foram fortemente impactados pela pandemia no ano de 2020, e para os próximos 30 dias são os setores com maior percentual de indicação de fechamento definitivo. No entanto, 50% mantêm expectativa de manutenção dos negócios em 30 dias e 20% esperam expandir, o mesmo percentual observado em agosto.
Algumas mudanças que foram implementadas nas empresas durante a pandemia serão mantidas no pós-pandemia. De acordo com a pesquisa, o destaque é o relacionamento com clientes por redes sociais, apontado por 65% dos entrevistados, seguido por controles financeiros mais rígidos (39%) e venda por redes sociais (37%). Mas, em dezembro, 11% das empresas informaram que não adotaram mudanças na forma de operar seus negócios a partir da pandemia, enquanto em novembro eram 14% e em outubro, 7%.
A análise sobre a média de ocupação de pessoas mostra estabilidade ao longo de todo o período investigado. Entretanto, os sinais de melhora nos últimos meses, com aumento no percentual de empresas que sinalizavam crescimento nas contratações, voltaram a recuar e houve queda pelo segundo mês consecutivo, 11% em dezembro e 13% em novembro. Enquanto o percentual de empresas que estão reduzindo a ocupação aumentou em dezembro para 41% contra 33% em novembro.
A pesquisa avaliou também as principais necessidades dos pequenos negócios e o capital de giro, apesar de permanecer como principal, teve redução dos percentuais em relação aos meses anteriores. Em junho, foi apontado como a principal necessidade para 66% dos entrevistados e em dezembro, caiu para 45%. Ao longo dos meses, outros temas ganharam destaque em razão da relevância na retomada das atividades e, nesta nova realidade, com foco em mercado e produtos. Nos últimos três meses, aumentou o percentual de empresas que citaram não precisar de apoio no momento, passando de 9% em outubro para 11% em novembro e 17% em dezembro.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO