Porto Alegre, terça-feira, 03 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 03 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Responsabilidade Social

- Publicada em 03h00min, 03/11/2020.

Quase 30 anos de auxílio e amparo social

Associação Emanuel atende 160 pessoas com o valor de doações e recolhimento de recicláveis

Associação Emanuel atende 160 pessoas com o valor de doações e recolhimento de recicláveis


Divulgação/Lar Emanuel
Vanessa Ferraz
A Associação Educacional Beneficente Emanuel é uma entidade de amparo a pessoas em situação de vulnerabilidade social como extrema pobreza e situação de rua. Acolhe pessoas com doenças severas tanto físicas como mentais, e também apoia usuários de drogas a vencer o vício. Em duas unidades, a instituição ampara 40 mulheres na casa Souza Reis situada na zona norte de Porto Alegre, e 120 homens no lar da Restinga na zona sul da cidade. Entre acolhidos e assistidos já passaram pelo lugar mais de 600 pessoas.
A Associação Educacional Beneficente Emanuel é uma entidade de amparo a pessoas em situação de vulnerabilidade social como extrema pobreza e situação de rua. Acolhe pessoas com doenças severas tanto físicas como mentais, e também apoia usuários de drogas a vencer o vício. Em duas unidades, a instituição ampara 40 mulheres na casa Souza Reis situada na zona norte de Porto Alegre, e 120 homens no lar da Restinga na zona sul da cidade. Entre acolhidos e assistidos já passaram pelo lugar mais de 600 pessoas.
Há 29 anos que o pastor Araudo Ulguim realiza o trabalho de construção dessa história de amparo e auxílio a quem precisa, ex-morador de rua, quis retribuir à vida aquilo que tinha recebido. "Esses anos todos de trabalho, é muito edificante fazer o que está no meu coração, o que fizeram por mim eu busco fazer pelos outros." Com 76 anos, o pastor demonstra com voz calma muita disposição ao dizer que a missão está longe de terminar, compartilha que cada dia é único na busca dos suprimentos que possibilitam fornecer ajuda. "A tarefa do dia é não deixar ninguém em falta, a batalha é grande. Não durmo em paz, estou na corrida para poder alcançar todos os necessitados", completa.
A presidência da instituição está nas mãos da filha do pastor, Irmã Nara Ulguim, que se apressa em explicar que o cargo não importa, e sim o dia-a-dia de trabalho junto das pessoas. A forma como os assistidos se beneficiam do atendimento da instituição são as mais variadas. "Alguns, que estão na rua, a polícia traz; outros foram encaminhados via assistência social de hospitais; e há pessoas comuns que conhecem o nosso trabalho, veem alguém que precisa e perguntam se a pessoa quer mudar de vida por causa do vício da droga", explica Nara. "Há quem tenha doenças graves como câncer e HIV, e que perderam a capacidade de trabalhar, ou quem faça tratamentos constantes, como hemodiálise, e necessita de ajuda para manter a terapia", comenta.
O recurso financeiro para manter o atendimento é através de doações. A associação recebe em sua sede administrativa, na Av. Assis Brasil 1079, material reciclável -jornais, revistas, papelão, garrafas pet, latinhas- que são separados, organizados e vendidos.
Segundo a presidente, o valor vindo da venda ajuda a pagar algumas contas como a de luz e a de água. Antes da pandemia, eram feitos pães e cucas que eram vendidos por pessoas recuperadas do vício com as drogas. Irmã Nara diz que aqueles que se recuperam, por gratidão, fazem voluntariado como forma de retribuição. Com a venda interrompida, a saída foi botar a venda as verduras produzidas na horta na unidade Restinga, a comunidade compra as hortaliças, com preços acessíveis, e ajuda na arrecadação dos fundos para manter o local. As fontes de renda são escassas, por isso, a contribuição espontânea e de qualquer valor tem muita relevância para a sobrevivência do trabalho.
O voluntariado é muito presente nas casas Emanuel, a solidariedade se mantém constante entre assistidos e recuperados. O Jaysson Guedes, 34 anos, conta que viveu no passado o contato com as drogas e a criminalidade chegando ao ponto de ser preso: "Eu andava sem paradeiro pelas ruas, certo dia o pastor Araudo, disse para eu ficar na portaria da igreja durante o culto, e assim, eu comecei a ficar e conheci a Palavra de Deus", o contato com a religião levou Jaysson a ser acolhido e assistido pela Associação. Recuperado e voluntário na casa da Restinga, Guedes conta que auxilia no cuidado às pessoas acamadas como trocas de fraldas e alimentação, ainda morador da instituição diz que hoje tem outra vida: "é muito gratificante poder ajudar ao próximo".
Alexandre Breyer, 39 anos, ajuda na coordenação das atividades do lar Emanuel, atualmente. Morador da instituição, conta que na véspera de natal de 2018 chegou no auge na crise com o alcoolismo: "Tinha perdido a minha padaria e meu casamento no mesmo ano, estava em depressão". Os dependentes em recuperação contam com o auxílio de terapia ocupacional, ajudam na horta, vão aos cultos na capela e participam das tarefas de manutenção do local; e são acompanhados, pela enfermagem e assistência social. Alexandre conta que serve de exemplo para os que ainda estão na luta contra o vício: "a gente tem condições de não usar mais a droga e se reintegrar na sociedade com todas as honras e sem vergonha, aqui eu recebi toda a ajuda e apoio", completa.
 

Saiba como colaborar

Interessados em colaborar com a rede podem marcar horário para entregar as doações através do telefone (51) 3341.2615. Doações em dinheiro podem ser feitas nas seguintes contas:
Banco Banrisul
Agência 0040 - CC 41058600-05
Banco Bradesco
Agência 0326-3 CC 70827-5
Favorecido (em ambas contas): Associação Educacional e Beneficente Emanuel (CNPJ 01.742.607/0001-00)
Comentários CORRIGIR TEXTO