Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sábado, 25 de julho de 2020.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 25 de julho de 2020.

Empresas & Negócios

Compartilhar

Recursos Humanos

- Publicada em 03h00min, 14/10/2019. Atualizada em 03h00min, 14/10/2019.

América do Sul atrai trabalhadores

Processo de validação de diplomas também é simplificado, sem exigência de provas acadêmicas

Processo de validação de diplomas também é simplificado, sem exigência de provas acadêmicas


FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
A proximidade e a menor burocracia para entrar no mercado de trabalho estão entre os fatores que levam brasileiros a buscar oportunidades de trabalho ou estudo em países da América do Sul. É que cidadãos dos países do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) e dos demais associados ao bloco (Chile, Colômbia, Equador e Peru) têm o direito de trabalhar, ao menos temporariamente, em todas essas nações.
A proximidade e a menor burocracia para entrar no mercado de trabalho estão entre os fatores que levam brasileiros a buscar oportunidades de trabalho ou estudo em países da América do Sul. É que cidadãos dos países do Mercosul (Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai) e dos demais associados ao bloco (Chile, Colômbia, Equador e Peru) têm o direito de trabalhar, ao menos temporariamente, em todas essas nações.
Na maior parte dos casos, é preciso apenas fazer um registro de residência no local escolhido e começar a procurar emprego. O processo de validação de diplomas também é simplificado, sem exigência de provas acadêmicas. Foram essas facilidades que levaram a advogada Renata Villela, de 35 anos, a mudar para Buenos Aires, onde está há oito anos. Ela já tinha vontade de morar fora do Brasil e vivenciar outra cultura. Das opções acadêmicas que tinha para fazer uma pós-graduação, foi na Argentina que encontrou as melhores condições. "Buenos Aires era mais perto, e o câmbio, mais favorável. Fiz uma pós-graduação em Gestão de Políticas Públicas e outra em Economia Social. Depois disso, comecei a trabalhar para governos locais", diz ela.
Seu primeiro emprego foi na Secretaria de Assistência Social de Quilmes, na Região Metropolitana de Buenos Aires, por quatro anos. Atualmente, trabalha para o governo argentino na área de planejamento de políticas públicas. Além disso, integra uma cooperativa de trabalho que possui um bar na capital portenha. "O começo no trabalho foi complexo. É um contexto diferente. Teve a questão da adaptação à língua e aos problemas sociais do local. É uma estrutura diferente", conta Renata.
No ano passado, havia mais de meio milhão de brasileiros (505,8 mil) morando em países da América do Sul, queda de 10% em cinco anos, de acordo com dados do Itamaraty. Alguns países, contudo, registram alta no número de brasileiros. É o caso da Argentina, que, mesmo em meio à crise financeira, viu o número de pessoas vindas do Brasil para viver no país subir 37,5%, para 64,7 mil.
Miriam Rodrigues, especialista em Gestão de Pessoas da Universidade Mackenzie, pondera que, mesmo com a menor burocracia, é importante o interessado escolher um país em que exista demanda profissional em sua área de formação. "É preciso pesquisar o mercado de trabalho local e saber se comunicar, dominar o espanhol. Esse tipo de experiência ajuda no retorno ao Brasil. As empresas valorizam a vivência em culturas diferentes, porque entendem que o profissional terá maior facilidade de encarar problemas."
Luiz Nicole, de 46 anos, já fez esse caminho duas vezes. Ele morou no Chile de 2004 a 2007, retornando para Santiago em janeiro de 2016 para trabalhar na Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO, na sigla em inglês), onde atua no programa de redução da pobreza rural para a América Latina. "Vim pela oportunidade de trabalho e pelo momento do país, com mulher e filha. Tem uma questão de choque de cultura e convivência com outros valores. Os chilenos são muito ordeiros. Não tem muito isso do 'jeitinho', como temos no Brasil", diz Nicole.
Antonio Gil Franco, sócio da área de impostos e consultoria da EY, lembra que, há poucas décadas, era necessário oferecer uma série de benefícios para remover um profissional brasileiro para outro país. "A experiência internacional faz parte de um profissional de sucesso."
leia mais notícias de Empresas & Negócios
Comentários CORRIGIR TEXTO