Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de outubro de 2019.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Finanças Pessoais

Edição impressa de 09/10/2019. Alterada em 09/10 às 03h00min

Brasileiros comprometem orçamento com impostos

O brasileiro está investindo menos na construção do seu patrimônio e pagando mais dívidas e impostos, mostra a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018 do IBGE.
O brasileiro está investindo menos na construção do seu patrimônio e pagando mais dívidas e impostos, mostra a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF) 2017-2018 do IBGE.
De acordo com o estudo, do total gasto pelas famílias mensalmente, a parcela destinada ao aumento do patrimônio caiu de 4,8% em 2009 para 4,1% em 2018. Enquanto isso, a destinada ao pagamento de impostos subiu de 10,9% para 11,7% e, para pagamento de empréstimos e prestações de imóvel, de 2% para 3,2%, no mesmo período.
O IBGE considera aumento do ativo a compra e reforma de imóvel e outros investimentos. Essa despesa despencou ao longo dos quase 30 anos que se passaram entre a pesquisa anterior que originou a POF, realizada em 1975, e a primeira Pesquisa de Orçamentos Familiares, de 2003. Lá atrás, esse gasto representava 16,5% do total, e, desde os anos 2000, está na casa dos 4%.
O gerente da pesquisa, André Martins, explica que, como as despesas correntes comprometem 92,7% das despesas do domicílio, sobra uma parcela muito pequena para dividir entre investimentos e a diminuição do passivo.
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia