Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de abril de 2019.
Dia Nacional da Conservação do Solo. Dia Mundial do Desenhista.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Finanças

Edição impressa de 15/04/2019. Alterada em 15/04 às 03h00min

Termos que ajudam a investir

Ter papéis de companhias que pagam bem é alternativa para novatos

Ter papéis de companhias que pagam bem é alternativa para novatos


/USP IMAGENS/DIVULGAÇÃO/JC
Cerca de 60% dos brasileiros não têm nenhum investimento financeiro - nem na poupança. É o que mostra uma pesquisa da Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais (Anbima). Para facilitar a entrada dessa população no mundo dos investimentos, Daniel Cavagnari, coordenador do curso de Gestão Financeira do Centro Universitário Internacional Uninter, dá algumas dicas.
"Para iniciantes, é sempre melhor buscar as aplicações mais seguras. As mais conhecidas são a poupança e o CDB (Certificado de Depósito Bancário), mas a melhor e mais confiável é o Tesouro Direto. Dá para começar a montar sua carteira com apenas R$ 30,00", recomenda.
Por outro lado, a grande maioria dos títulos do Tesouro Direto têm liquidez baixa e o investidor pode sofrer prejuízos em sua lucratividade caso saque o dinheiro antes do tempo, mesmo que tenha tido boa rentabilidade. Não entendeu? O professor tranquiliza. "Esses termos parecem técnicos, mas são fáceis de aprender. Com esse conhecimento, fica mais fácil escolher os investimentos adequados", diz.
Acompanhe abaixo o significado de cinco termos essenciais para investidores iniciantes.
  • Liquidez
    A liquidez é a capacidade de um determinado investimento ser convertido novamente em dinheiro. Se a liquidez for alta, o dinheiro pode ser recuperado rapidamente, mas se for baixa, é preciso esperar. A poupança, por exemplo, é um investimento de alta liquidez, pois o dinheiro pode ser sacado a qualquer momento. Já uma previdência privada, como VGBL ou PGBL, geralmente tem baixa liquidez e cobra altas taxas caso o dinheiro seja sacado antes do tempo.
    “Se você tem R$ 100 mil, em mãos ou na conta corrente, esse dinheiro vale R$ 100 mil. Agora imagine que esse valor está aplicado em um terreno. O valor ainda é R$ 100 mil, mas é relativo. Se você tem tempo para buscar um comprador, vai conseguir o valor integral. Mas se está com pressa e precisa do dinheiro rapidamente, pode perder até mesmo metade do dinheiro”, exemplifica.
  • Indexador
    Indexadores são taxas percentuais que definem quanto o dinheiro vai render. “Por exemplo, hoje a taxa Selic é de 6,5% ao ano. Isso significa que uma aplicação que tenha essa taxa como indexador renderá, daqui um ano, ao menos 6,5% de seu valor inicial”, ilustra.
    A taxa Selic é a taxa básica de juros, definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), órgão pertencente ao Banco Central do Brasil. Ela é reajustada, em média, a cada 45 dias – ou oito vezes ao ano. Outro indexador popular é o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Ele é medido pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) mês a mês e reflete a inflação acumulada ao longo do ano.
  • Pré-fixado ou pós-fixado
    Investimentos pré-fixados são aqueles em que o investidor sabe exatamente quanto vai resgatar ao final, desde que não recupere o dinheiro antes do vencimento. A porcentagem que ele vai render é informada de antemão.
    Já investimentos pós-fixados rendem de acordo com algum indexador que sofrerá alterações, como a taxa Selic e o IPCA. Como essas taxas são reajustadas com frequência, o investimento poderá render mais ou menos do que o simulado no momento da aplicação.
  • Rentabilidade e lucratividade
    “Rentabilidade é o valor que rende um título. Se você aplicou R$ 1 mil e retirou R$ 1,5 mil ao final, a aplicação rendeu R$ 500. O problema é que muitas pessoas confundem rentabilidade com lucratividade”, explica o professor. Para calcular a lucratividade, é preciso deduzir todos os custos do investimento da rentabilidade – taxas de administração, imposto de renda e imposto sobre operações financeiras (IOF).
    Por esse motivo, um investimento como o CDB pode ser mais rentável do que a poupança, mas render menos lucros caso seja sacado em um período curto de tempo, em que terá mais taxas. Caso o investidor iniciante esteja montando uma reserva de emergência, por exemplo, precisa ter em vista que o dinheiro pode ser sacado rapidamente e priorizar a liquidez em vez da rentabilidade, para não perder seu lucro.
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia