Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

CORRIGIR
17/03/2019 - 22h37min. Alterada em 18/03 às 01h00min

Impactos serão equivalentes à redução praticada

O presidente da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul (Fiergs), Gilberto Petry, adverte que se ocorrerem os cortes orçamentários no Sistema Indústria, "os impactos serão equivalentes à redução praticada".

Formado por federações estaduais e sindicatos patronais, o Sistema Indústria é uma rede nacional de caráter privado responsável por iniciativas de apoio ao setor. A partir das demandas identificadas nas empresas pelas entidades que formam o Sistema, é ofertado educação básica, formação profissional, capacitação empresarial e soluções técnicas e tecnológicas às indústrias.

A organização também desenvolve programas socioeducativos que contribuem de maneira efetiva para melhorar as condições de segurança e de saúde no ambiente de trabalho.

Neste sistema, a Fiergs é a representação do empresariado industrial gaúcho, criada para a promoção e o desenvolvimento da economia do Estado e do País, com foco em competitividade.

"Dados do Sistema Indústria mostram que serão cortadas no País 1,1 milhão de vagas por ano em cursos profissionais", afirma. Petry calcula que, caso os recursos enxuguem, mais de 18 mil trabalhadores do Senai e do Sesi serão demitidos; 317 escolas serão fechadas (prejudicando 498 mil alunos) e 1,2 milhão de pessoas irão ficar sem atendimento em saúde.

O presidente da Fiergs sublinha ainda que as contas do Sistema S são fiscalizadas e aprovadas pelo TCU. "Há, portanto, uma fiscalização externa, conforme a Lei nº 8.443 de 1992 - ou seja: há 27 anos o TCU monitora os investimentos dos serviços autônomos", destaca.

leia mais notícias de Empresas & Negócios
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia