Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 24 de março de 2019.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

CORRIGIR

Responsabilidade social

Edição impressa de 18/03/2019. Alterada em 24/03 às 14h49min

Escola de Porto Alegre ensina de graça alunos de escolas públicas a tocar instrumentos

Projeto já recebeu 60 alunos e atende estudantes de seis a 15 anos de escolas públicas

Projeto já recebeu 60 alunos e atende estudantes de seis a 15 anos de escolas públicas


LUIZA PRADO/JC
Lívia Rossa
O gosto por música é universal e independente do gênero. No entanto, aprender um instrumento ou técnica vocal nem sempre é uma possibilidade acessível, já que requer equipamentos que costumam ser caros. Pensando nisso, a Casa da Música de Porto Alegre, que atua há dez anos principalmente dando aulas particulares, abriu as portas para estudantes de escolas públicas, de seis a 15 anos, realizarem aulas gratuitamente. 
Dentro da Casa, a Associação de Amigos Casa da Música de Porto Alegre (AACAMUS) foi criada para suprir as demandas do projeto. A iniciativa funciona desde agosto do ano passado, na sede na rua Gonçalo de Carvalho, no bairro Independência, e já atendeu cerca de 60 alunos de escolas estaduais do entorno, como a Uruguai, Othelo Rosa e Anne Frank e o Colégio Estadual Marechal Floriano Peixoto.
VÍDEOS JC: Alunos de escolas realizam sonho de tocar instrumentos
Neste ano, o objetivo é expandir para toda a cidade. Os professores ensinam na sede, mas também vão até as escolas que têm infraestrutura adequada. 
Dentro da residência antiga de três andares, os cômodos são divididos de acordo com o grau de aprendizado dos alunos e os instrumentos, entre viola, violoncelo, contrabaixo, piano em grupo, flauta doce, violão, grupo vocal e o preferido, que é o violino. As lições de música acontecem sempre no turno inverso ao da escola e abrangem música clássica à Música Popular Brasileira (MPB).
Os estudantes ingressam por meio de inscrição na sede da escola, quando é marcada uma data de início. Cada criança pode realizar duas modalidades. A aula tem duração de uma hora. Os ensaios acontecem de forma separada, de acordo com o nível de cada aluno, e atentam para a apresentação da Orquestra Jovem Casa da Música, criada na instituição reunindo todos os alunos para tocar juntos.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/01/22/206x137/1_lp_220119___casa_da_musica__2_-8602628.jpg', 'id_midia_tipo':'undefined', 'id_tetag_galer':'1', 'id_midia':'5c472274c3c3b', 'cd_midia':8602628, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/01/22/lp_220119___casa_da_musica__2_-8602628.jpg', 'ds_midia': '', 'ds_midia_credi': 'LUIZA PRADO/JC', 'ds_midia_titlo': '', 'cd_tetag': '52', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Clear', 'midias': [8602634,8602635,8602636,8602637,8602628,8602631,8602633], 'ds_midma_legen': {'0': '','8602628': 'Em vez de estarem no celular, estão aprendendo um instrumento, vibra Angela','8602631': 'Meus pais achavam que eu não aprenderia a tocar violino<aspas>, conta Ana Paula','8602633': 'Alunos de escolas públicas aprendem diversos instrumentos','8602634': 'Meninas e meninos de diversas idades participam do projeto','8602635': 'Crianças acessam aulas de violino ','8602636': 'Sonho de aprender a tocar um instrumento que a Casa realiza','8602637': 'Lições, que acontecem no turno inverso, vão de música clássica a MPB'}}
"Em vez de estarem no celular, estão aprendendo um instrumento", diz Angela Diel. Foto: Luiza Prado/JC
A dedicação e o foco das crianças impressionam. "No turno inverso, em vez de estarem no celular, estão aprendendo um instrumento", contrasta a realizadora do projeto, a diretora artística da Casa da Música e cantora lírica Angela Diel. A diretora diz que é notória a mudança nos aprendizes, principalmente os que vieram de situações sociais de maior risco, como os alunos da Vila dos Papeleiros, que fica ao lado da Arena do Grêmio, na Capital, e que encontraram na música um refúgio.
Para Angela, o efeito mais importante é a inclusão na cena musical e trazer perspectivas de futuro. Sobre a recepção das famílias, a diretora diz "é muito boa, pois percebem que a criança tem habilidades artísticas".
Além do diferencial das aulas, a idealizadora destaca que a gestão é coletiva e baseada na confiança, refletida não só na relação com os professores, que têm liberdade para ir na casa quando quiserem - eles têm a chave do local -, mas também com os alunos, que podem levar os instrumentos para ensaiar em casa. “Se não levarem, não há rendimento”, justifica Angela.
A aluna Ana Paula Quadros, de 13 anos, diz que tocar violino era um desejo antigo. "Eu dizia para os meus pais que queria aprender o instrumento, mas eles achavam difícil de aprender, então não fiz aulas". Agora, ela é aplicada no instrumento e até mesmo guia as colegas durante o ensaio da orquestra.
Colega de instrumento da Ana Paula, Emmanuele Batista, de 14 anos, diz que não poderia frequentar as aulas e não fosse pelo projeto. A família dela não teria como pagar a formação. "É uma grande oportunidade e abre portas para pessoas como eu realizarem seus sonhos", valoriza a adolescente.
> Galeria de imagens: confira o aprendizado dos alunos
Para quem ficou empolgado em fazer parte do projeto, a Casa da Música está com inscrições abertas este mês para alunos de escolas públicas. Vagas para todos os instrumentos estarão abertas, mas o local busca candidatos a aprender a tocar contrabaixo, violoncelo e viola. No site www.casadamusicapoa.com.br, há mais informações, inclusive sobre como as pessoas podem se associar à AACAMUS e ajudar a financiar os projetos. 
Como contribuir
  • Quem pode ajudar? Qualquer pessoa pode ajudar, seja contribuindo como sócio, adotando um aluno, buscando apoio através de Leis de Incentivo e procurando parceiros.
  • Valor: O valor é escolhido pelo próprio contribuinte. 
  • Frequência: Mensal, semestral ou anual.
  • Formas de pagamento: Boleto, transferência bancária ou depósito.
  • Para onde vão os recursos: contribuição nas aulas de música, compra de instrumentos e bolsas de estudo.
  • Para mais informações: interessados devem entrar no site, preencher o formulário ou enviar e-mail para casadamusica.aacamus@gmail.com.
leia mais notícias de Empresas & Negócios
CORRIGIR
Seja o primeiro a comentar esta notícia