Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 25 de fevereiro de 2019.
Dia da Criação do Ministério das Comunicações.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Leitura

Edição impressa de 25/02/2019. Alterada em 25/02 às 01h00min

Inovação

Muitas empresas - sejam de bens de consumo, serviço, tecnologia de ponta, ou não competidores que atuam em ambientes corporativos de mudanças rápidas ou de evolução lenta - enfrentam agora o dilema da inovação.
"O Dilema da Inovação" assume a posição radical de que grandes empresas fracassam exatamente porque fazem tudo certo. O livro de Clayton Christensen busca demonstrar por que boas empresas, mesmo mantendo sua antena competitiva ligada, ouvindo os clientes e investindo agressivamente novas tecnologias perderam sua liderança no mercado quando se confrontaram com mudanças tecnológicas de ruptura e incrementais na estrutura do mercado.
Nesse sentido, a obra conta como evitar um destino semelhante. Usando as lições de sucesso e fracasso de companhias líderes, o livro apresenta um conjunto de regras para capitalizar o fenômeno da inovação de ruptura/incremental. Dessa forma, esses princípios visam auxiliar os administradores a determinar quando é certou ou não ouvir os clientes, quando investir no desenvolvimento de produtos com menor desempenho que prometem margens menores e quando buscar mercado menores às custas daqueles aparentemente maiores e mais lucrativos.
Manter-se próximo do cliente é imprescindível para o sucesso, mas o crescimento e o lucro de longo prazo frequentemente dependem de uma fórmula de gestão muito diferente.
O dilema da inovação; Clayton Christensen; M. Books; 320 páginas; R$ 99,00

Negociação

A negociação é um assunto de extrema importância no mundo empresarial, sendo parte inalienável das construções econômicas vigentes pelo sistema. Voltado para esse tema, o livro "Como Chegar ao sim: como negociar acordos sem fazer concessões" oferece uma estratégia concisa e detalhada para se chegar a acordos mutuamente aceitáveis em toda espécie de conflito.
Escrito por Roger Fischer, William Ury e Bruce Patton, o livro se apresenta como uma espécie de manual para negociação que vai além do mundo dos negócios: seja envolvendo pais e filhos, vizinhos, empregadores e empregados, clientes e empresas, inquilinos e diplomatas. Baseando-se no trabalho do Projeto de Negociação de Harvard, um grupo que lida seguidamente como todos os níveis de negociação e resolução de conflitos (desde o âmbito doméstico até o internacional).
Nesse aspecto, o livro se propõe a dizer como: separar as pessoas do problema; concentrar-se nos interesses e não nas posições; trabalhar junto para criar opções que satisfaçam às duas partes; e obter êxito na negociação com pessoas que são mais poderosas, recusando-a a ceder às pressões ou a recorrer a truques sujos. A leitura acessível facilita a compreensão dos temas mais complexos que os autores abordam. A obra é indicada para todos que buscam entender mais sobre o que é negociação e como ela se aplica a determinados ambientes.
Como chegar ao sim: Como negociar acordos sem fazer concessões; Roger Fischer, William Ury e Bruce Patton; Solomon; 314 páginas; R$ 45,00; disponível em versão digital

Ascensão

Elevar seu patamar econômico em nível mundial é mais complicado quando não se vive nas nações dominantes. Entretanto, Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Beto Sicupira ergueram, em pouco mais de quatro décadas, o maior império da história do capitalismo brasileiro e ganharam uma projeção sem precedentes no cenário mundial.
Nos últimos cinco anos eles compraram nada menos que três marcas americanas conhecidas globalmente: Budweiser, Burguer King e Heinz. Tudo isso na mais absoluta discrição, esforçando-se para ficar longe dos holofotes. Em "Sonho Grande", a história desse caminho de ascensão é relatada, de forma que a narrativa construída crie o paralelo entre o caminho percorrido pelos executivos e o caminho da economia brasileira.
Através dessas relações, a autora Cristiane Correa constrói uma leitura capaz de identificar detalhes no trajeto até o sucesso. A fórmula de gestão que desenvolveram, seguida com fervor por seus funcionários, se baseia em meritocracia, simplicidade e busca incessante por redução de custos, que fez os autores ficarem conhecidos por esses métodos.
Por outro lado, quem traz resultados excepcionais tem a chance de se tornar sócio de suas companhias e fazer fortuna. "Sonho grande" é o relato detalhado dos bastidores da trajetória desses empresários desde a fundação do banco Garantia, nos anos 1970, até os dias de hoje.
Sonho grande; Cristiane Correa; Sextante; 264 páginas; R$ 49,90
leia mais notícias de Empresas & Negócios
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia