Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Responsabilidade Social

Edição impressa de 20/08/2018. Alterada em 20/08 às 13h39min

A dama e os vira-latas: Sítio da Shana acolhe animais abandonados

MARCELO G. RIBEIRO/JC
Pedro Carrizo
Uma estrada de chão batido leva ao espaço que abriga animais vítimas de maus tratos e abandono, no bairro Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre. Quase 200 cães e 20 gatos que ninguém mais quis tiveram a sorte de encontrar acolhimento naquele pedaço de terra.
Há 10 anos, o Sítio da Shana acolhe uma gama de animais que poucas pessoas se dispõem a cuidar, mas que ali encontram um lar temporário enquanto esperam por adoção. Enquanto aguardam um novo lar, são tratados com afinco e carinho por Shana Waechter, dona do sítio.
Contudo, por mais que a dedicação inspire, a conta não fecha, e falta dinheiro para prover tudo que é necessário. Os recursos, provenientes de doações, em sua grande maioria, são insuficientes para arcar com despesas que envolvem a compra de ração, realizar a castração e comprar remédios. Embora muitos animais que estão no sítio sejam adotados, o número de pessoas que abandonam seus pets no local ou nas proximidades faz com que não diminua a quantidade de acolhidos, nem o trabalho árduo de Shana.
Para ajudar nas despesas, uma vaquinha virtual foi montada. A ideia é arrecadar recursos para concluir as castrações, comprar vacinas, reforçar a alimentação e melhorar as instalações dos animais. O financiamento coletivo está disponível no link.
"No sítio, vivem animais paraplégicos, epilépticos, deficientes físicos, com câncer e cinomose. Aqueles que são invisíveis aos olhos da sociedade, assim como eu", diz Shana, travesti que já morou na rua e, após sofrer a rejeição, o preconceito e diversas outras intempéries, decidiu dedicar a vida ao cuidado para com os bichos. O amor nasceu em um dos momentos mais difíceis da sua vida, quando os problemas de saúde e as indagações sobre pertencimento ao mundo tomavam seus pensamentos, há cerca de 20 anos.
"Estava aos prantos em uma praça qualquer do Centro de Porto Alegre. Naquela época morava na rua, não tinha suporte de ninguém. Até que um vira-lata cego de um olho subiu no meu colo, como se quisesse me acalmar, e ali ficou por 18 anos", relembra.
A partir daquele dia, Shana decidiu dedicar-se à causa animal. "Sou travesti e cuido de cachorros e gatos que ninguém quer ver, então as coisas nunca foram tão fáceis. Já dividi a fome e a comida com eles", diz, acrescentando que o amor pelos bichos faz com que sua missão prossiga. Ao longo desses quase 20 anos voltados aos cuidados de cães e gatos e 10 anos de sítio, Shana também conquistou uma pequena rede de voluntários, que ajuda nos encaminhamentos médicos, na arrecadação de alimentos e, principalmente, na doação dos animais.
O processo foi criado para que o adotante não arque com o custo das primeiras vacinas e da castração, gerando assim mais chances do pet seguir com seu novo tutor e não amargar o abandono outra vez. O termo de adoção criado pelos voluntários disponibiliza uma veterinária parceira para os primeiro cuidados. "Lutamos pela adoção consciente, é um ato que requer comprometimento e a capacidade de integrar o animal no ambiente familiar da pessoa que adota", diz Letícia Donadel, bióloga voluntária da causa.
Letícia acrescenta que a maior parte dos animais que está no sítio da Shana já teve outros tutores algum dia, e que é essa falta de comprometimento que preocupa mais. "É necessário entender que o ato de adotar demanda, no mínimo, 15 anos de cuidado. Em compensação, representa uma parceria fiel ao longo desses anos", alega a bióloga. Mesmo com toda a conversa com as pessoas que vão em busca de um animal de estimação sobre a importância da adoção responsável, ainda há casos de devoluções e desistências.
A luta para encontrar um lar definitivo para os bichos é constante, e na página do Facebook AniMais Ação Adote-Ajude é possível conferir fotos dos pets que estão no sítio disponíveis para adoção. A comunidade é administrada pela rede de voluntários. Por ali, também são aceitos materiais para o cuidado dos bichos, como ração, remédios, cobertores, camas e caixas de papelão.
E, claro, também são bem-vindos novos colaboradores dispostos a dar uma contribuição financeira e que também ajudem a encontrar mais tutores responsáveis que queiram adotar um pet, já que o sítio não tem mais espaço para receber outros animais, seja pela saturação física ou pela falta de recursos financeiros. Tudo feito sempre com o lema do Sítio da Shana como bandeira: Abandono zero, castração sempre! 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Luziane Eilert de Vasconcelos 20/08/2018 22h41min
Podem ser poucas linhas para retratar uma vida de alguém tão guerreira, que já até perdeu a conta do número de vidas que passaram por suas mãos, algumas em quase fagulha e mesmo assim ela, protetora de alma e coração Shana Waechter, faz reacender o fogo da vitalidade, através dos cuidados e do amor aos seus peludos que um dia foram invisíveis como ela.Uma vida de abenegação em prol dos animais, para ela são filhos, para eles, ela é o mundo!nEspero que pessoas sensíveis possam colaborar!