Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Opinião

Edição impressa de 30/07/2018. Alterada em 30/07 às 01h00min

Social commerce: quais cuidados tomar e como alavancar as vendas

Rogério Signorini é Diretor Geral da Braspag

Rogério Signorini é Diretor Geral da Braspag


BRASPAG/DIVULGAÇÃO/JC
Rogério Signorini
Conhecido como um setor sempre em expansão, o e-commerce vem possibilitando a criação de novas oportunidades à medida que aumenta o número de adeptos e agrega novas ferramentas em seu ecossistema.
De acordo com o relatório Webshoppers, só no primeiro semestre de 2017, o e-commerce cresceu 7,5%, superando o número de 50 milhões de pedidos. Quando o assunto é mobile commerce, o cenário é ainda mais animador: 35,9% de aumento no volume de pedidos no mesmo período.
Além de ser uma tendência natural devido à facilidade permitida pelo dispositivo, o aumento das compras via smartphone gera uma outra tendência de mercado: o aumento da importância das redes sociais para as compras. Segundo dados do E-Marketer, 39% dos consumidores utilizam as redes sociais para inspirar suas aquisições on-line.
Entretanto, elas também servem muitas vezes para iniciar negócios informais que podem se tornar futuros empreendimentos de sucesso no comércio eletrônico. De acordo com o Sebrae, entre 2014 e 2017, foram criadas 26,2 milhões de empresas no país, muitas delas no setor de vendas on-line.
O cenário de instabilidade política e econômica, aliado ao desejo de ser dono do próprio negócio e as inúmeras oportunidades que o e-commerce oferece, o constante crescimento do setor e as diversas facilidades tecnológicas criam boas perspectivas para o empreendedorismo, fundamental para o crescimento do País.
Artigos artesanais e serviços são os principais tipos de produtos que surgem nessa nova onda de venda pelas redes sociais ou aplicativos de chat, como o WhatsApp. Além de serem os canais preferidos para atendimento, inclusive para lojas tradicionais do e-commerce, com 84,8% e 83%, respectivamente, estas ferramentas propiciam o ingresso de empreendedores num mercado em alta expansão, graças ao seu grande poder de alcance. Mas, quais cuidados tomar neste tipo de negócio? O que fazer para garantir o sucesso?
A segurança é um dos fatores primordiais nas vendas on-line. Mesmo que o negócio inicie de maneira informal, é essencial que o consumidor tenha garantia de que seus dados estarão protegidos e seu pedido chegará corretamente.
Da mesma forma, o lojista também deve se precaver para evitar fraudes. Muitos empreendedores on-line iniciam suas atividades dentro de sua rede de contatos para minimizar os riscos. À medida que o negócio se expande, é importante agregar serviços de confiança, tanto para a criação da loja on-line e, principalmente, no setor de pagamentos, que é a parte sensível do negócio.
Além da questão da segurança, o empreendedor deve buscar um diferencial para o seu negócio. A diversidade e customização podem ser ferramentas poderosas, mas é preciso analisar o mercado e entender qual é o público-alvo e o que ele deseja.
O consumidor está cada vez mais exigente e a web sempre oferece diversas opções. Estar atento às tendências e às necessidades do cliente é crucial para tornar o negócio um sucesso ou um fracasso.
Por fim, a credibilidade do negócio deve ser constituída desde o início. As redes sociais são ótimas ferramentas para atendimento, mas também são poderosíssimas para gerar crises.
Excelência na qualidade de produtos e serviços, determinação e desenvoltura no atendimento podem ser a alavanca necessária para o pequeno social commerce se tornar um player de mercado.
Diretor Geral da Braspag
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia