Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 30 de julho de 2018.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

Responsabilidade Social

Edição impressa de 30/07/2018. Alterada em 30/07 às 01h00min

ONG Movimento Escola da Vida acolhe e educa por um mundo mais igualitário

ONG MOVIMENTO ESCOLA DA VIDA/DIVULGAÇÃO/JC
Eduardo Lesina
"Desenvolver a consciência de que o apoio aos menos favorecidos é fator primordial para sociedade mais justa e fraterna". Sob esse lema, a Instituição de Educação Infantil Escola da Vida busca minimizar as desigualdades, zelando e auxiliando crianças da vila Cruzeiro, em Porto Alegre, na busca por uma educação mais ampla e participativa. A organização, fundada por Denise Miceli em junho de 2003, busca acolher, cuidar e educar crianças em situação de risco, proporcionando o desenvolvimento físico, psicológico e cognitivo para os seus acolhidos.
As 84 crianças que são atendidas pela entidade hoje, nem imaginam as mudanças que a ONG passou nesses 15 anos de existência. O projeto, de forma informal, surgiu com Denise, em 2001, e desenvolvia-se na acolhida de crianças, de 2 a 6 anos, com atenção às crianças com maior vulnerabilidade social, como filhos de moradores de rua, catadores de papel e de presidiários(as). "No começo, o foco do projeto era atender os casos de maior vulnerabilidade, e com o tempo foi se organizando como uma escola, agregando mais alunos", conta a coordenadora pedagógica do projeto, Andréa Moraes. Em 2003, o Programa Movimento Escola da Vida tornou-se legalmente constituída, firmando o seu objetivo inicial. Com uma casa alugada na rua Arapeí, nº 346, a iniciativa tornou-se oficial: ONG Movimento Escola da Vida.
O primeiro endereço não duraria mais do que três anos: com o crescimento do projeto, a casa com duas salas, um banheiro, uma cozinha e um pátio pequeno passou a ficar pequena para a continuidade do projeto. Dessa necessidade, um parceiro da ONG, o italiano Giuseppe Mareska, trouxe a solução: "Em 2006, ganhamos a casa com os recursos captados por um parceiro italiano, que fez campanha com amigos e conseguiu a verba para adquirir a residência", conta Andréa. Agora, com uma casa maior, com pátio maior e espaço para ampliação, a Escola da Vida estruturava as necessidades das crianças com maior estabilidade, no seu novo endereço: rua Cruzeiro do Sul, nº 2873, no bairro Santa Tereza.
Essa estabilidade aumentou quando, em novembro de 2007, a ONG firmou convênio com a prefeitura de Porto Alegre, por meio da Secretaria Municipal de Educação (SMED). Essa parceria transformou a forma como a entidade se gerenciava: "com o repasse mensal, que é de acordo com o número de crianças atendidas, pagamos toda a folha de pessoal, os encargos sociais, alimentação, etc.", explica Andréa, que assumiu a diretoria da escola neste ano. Com o novo capital, eles puderam reforçar o trabalho pedagógico e o quadro de funcionário, bem como investir na infraestrutura da instituição.
Atualmente, o corpo docente é composto por sete professoras e pela coordenadora pedagógica, que apresentam o objetivo de estimular cada criança em suas potencialidades cognitivas e emocionais. "Oferecemos todo o trabalho de escola, atividades pedagógicas, com oficinas de culinária - com auxílio da nutricionista da organização - e capoeira". Para fortalecer as experiências propostas para os alunos, a escola faz parte do projeto Tribos da Cidadania, da ONG Parceiros Voluntários, no qual os alunos desenvolvem ações voltadas ao meio ambiente e à cidadania.
Outra parceria presente na instituição é o recebimento de alimentos por meio de doações feitas pela rede nacional de banco de alimento, o Mesa Brasil SESC. Ainda, a escola conta com uma contribuição voluntária dos pais dos alunos, quando esses podem, para realizar ações pontuais para os alunos. Outra ação presente na programação da ONG é a participação no Mc Dia Feliz: "arrecadamos os tickets, entre nossos colaboradores e amigos, e trazemos as crianças para a escola para comer os lanches", explica Andréa. O dia já faz parte do calendário escolar desde 2005. "Além de quebrar a rotina de escola, é uma ação de ajuda mútua, tanto para o instituto do câncer infantil, pelo repasse das vendas, como também às nossas crianças, que certamente não tem condições de comer um lanche do Mc Donalds cotidianamente".
Essas atividades não se restringem apenas aos estudantes em si, mas toda a comunidade do entorno, visto que as 84 crianças residem na região. Além do "Galeto Solidário" e os brechós bimestrais para o público, o evento "Sábado Solidário", comemorativo de aniversário do projeto, realizou serviços à comunidade, como uma palestra sobre "como se portar em uma entrevista de emprego" e oficinas de fonoaudiologia, nutrição e artesanatos.

Para fugir da chuva

Com o inverno e, consequentemente, as chuvas que atingem a cidade, a Instituição de Educação Infantil Escola da Vida está com uma campanha de arrecadação de fundos para cobrir o corredor que dá acesso às salas do maternal II, Jardim A e Jardim B. Os orçamentos variam entre R$ 8 mil e R$ 15 mil. "Além de proteger as crianças e professoras da chuva, esse espaço poderá ser utilizado nesses dias em que a praça e o pátio estão molhados, tornando-se mais um espaço recreativo para as crianças", ressalta Andréa Moraes, coordenadora pedagógica da organização.
Como ajudar:
  • Banrisul
  • Ag. 0085 - Tristeza
  • Poupança: 41.119.264.0-7
  • Movimento Escola da Vida
  • CNPJ 05.985.616/0001-82
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia