Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 25 de julho de 2019.
Dia do Escritor. Dia do Motorista .

Jornal do Comércio

Automotor

COMENTAR | CORRIGIR

Indústria Automotiva

Alterada em 25/07 às 16h28min

Ford transforma mais de um bilhão de garrafas PET por ano em tapeçaria para veículos

Em cada EcoSport, por exemplo, são reaproveitadas 470 garrafas PET

Em cada EcoSport, por exemplo, são reaproveitadas 470 garrafas PET


FORD/DIVULGAÇÃO/JC
Um milhão de garrafas plásticas são compradas ao redor do mundo por minuto – o que soma 526 bilhões por ano – e a maioria acaba descartada em aterros, rios e oceanos. A Ford encontrou um modo de reaproveitar esse material, transformando-o em peças para veículos.
Um milhão de garrafas plásticas são compradas ao redor do mundo por minuto – o que soma 526 bilhões por ano – e a maioria acaba descartada em aterros, rios e oceanos. A Ford encontrou um modo de reaproveitar esse material, transformando-o em peças para veículos.
Cada EcoSport, por exemplo, absorve o equivalente a 470 garrafas plásticas em material reciclado na forma de tapetes e carpetes. Desde o lançamento da nova geração global do utilitário-esportivo, em 2012, mais de 650 milhões de garrafas já foram recicladas para esse fim.
A Ford começou a utilizar plástico reciclado em seus veículos há mais de 20 anos. Hoje, recicla 1,2 bilhão de garrafas PET por ano em todo o mundo para a produção de componentes automotivos, presentes em todos os seus modelos, inclusive os produzidos no Brasil.
O caminho para transformar plástico em tapetes e carpetes começa com a fragmentação das garrafas e tampas em pequenos flocos. Depois, em empresas especializadas, esses flocos são fundidos a 260°C e extrudados em fibras com a espessura de um fio de cabelo. As fibras são então combinadas com outras e passam por um processo têxtil, formando o material que dá origem ao carpete.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia