Porto Alegre, quinta-feira, 30 de setembro de 2021.
Dia da Secretária. Dia do Jornaleiro.
Porto Alegre,
quinta-feira, 30 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indicadores

- Publicada em 30/09/2021 às 16h18min.

Custos de produção registram alta de 4,18% em agosto

Acumulado em 12 meses chega a 34,58% recorde histórico

Acumulado em 12 meses chega a 34,58% recorde histórico


WENDERSON ARAUJO/CNA/DIVULGAÇÃO/JC
O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) registrou uma forte alta de 4,18% no mês de agosto na comparação com o mês anterior. No acumulado do ano, o indicador registra um crescimento de 28,08% e, em 12 meses, 34,58%, recorde da série histórica que teve início em 2010. Os dados foram divulgados pela Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul Farsul nesta quinta-feira (30).
O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) registrou uma forte alta de 4,18% no mês de agosto na comparação com o mês anterior. No acumulado do ano, o indicador registra um crescimento de 28,08% e, em 12 meses, 34,58%, recorde da série histórica que teve início em 2010. Os dados foram divulgados pela Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul Farsul nesta quinta-feira (30).
De acordo com a Farsul, o resultado é reflexo da escassez de insumos agrícolas e da taxa cambial. Com as consecutivas altas, o IICP vem mantendo seu acumulado bem acima do IPCA que registra 9,86% de aumento em 12 meses. Os custos de produção também vêm refletindo no preço dos produtos, especialmente na carne de frango que teve maior aumento entre as commodities analisadas. O Índice de Inflação dos Preços Recebidos pelos Produtores Rurais (IIPR) apresentou inflação de 5,39% em agosto na relação com julho. Um aumento após dois meses de quedas consecutivas,
Em 12 meses, o IIPR acumula elevação de 29,70% reflexo de uma série de fatores em 2020. A seca, que refletiu em menor oferta interna de produtos agrícolas, foi um deles, além da desvalorização cambial e o aumento da demanda por alimentos em função do Auxílio Emergencial. Com exceção da seca, todos estes fatores seguem presentes na conjuntura de 2021 fazendo com que os preços persistam na trajetória de valorização.
Conteúdo Publicitário
Comentários CORRIGIR TEXTO