Porto Alegre, quarta-feira, 13 de janeiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 13 de janeiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Soja

- Publicada em 03h00min, 13/01/2021.

Abiove diz que ataque de Macron à soja busca justificar subsídio

Em vídeo, Macron fez críticas ao desmatamento da Amazônia

Em vídeo, Macron fez críticas ao desmatamento da Amazônia


/TWITTER/REPRODUÇÃO/JC
A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse, em nota, "lamentar que o presidente da França, Emmanuel Macron, busque justificar sua decisão de subsidiar os agricultores franceses atacando a soja brasileira". "Como bem sabe Macron, a soja produzida no bioma Amazônia no Brasil é livre de desmatamento desde 2008, graças à Moratória da Soja, iniciativa internacionalmente reconhecida, que monitora, identifica e bloqueia a aquisição de soja produzida em área desmatada no bioma, garantindo que existe risco zero do envio de soja de área desmatada (legal ou ilegal) deste bioma para mercados internacionais", disse a associação, no comunicado.
A Associação Brasileira das Indústrias de Óleos Vegetais (Abiove) disse, em nota, "lamentar que o presidente da França, Emmanuel Macron, busque justificar sua decisão de subsidiar os agricultores franceses atacando a soja brasileira". "Como bem sabe Macron, a soja produzida no bioma Amazônia no Brasil é livre de desmatamento desde 2008, graças à Moratória da Soja, iniciativa internacionalmente reconhecida, que monitora, identifica e bloqueia a aquisição de soja produzida em área desmatada no bioma, garantindo que existe risco zero do envio de soja de área desmatada (legal ou ilegal) deste bioma para mercados internacionais", disse a associação, no comunicado.
O presidente da França, Emmanuel Macron, fez críticas ao desmatamento da Amazônia e citou especificamente a soja brasileira, relacionando-a ao problema ambiental. "Continuar a depender da soja brasileira seria ser conivente com o desmatamento da Amazônia", afirmou Macron, em sua conta oficial no Twitter.
A publicação dele veio acompanhada de um vídeo, no qual comenta a questão em conversa com repórteres. "Nós somos coerentes com nossas ambições ecológicas, estamos lutando para produzir soja na Europa", afirma o presidente francês. No vídeo, Macron fala em "não depender mais" da soja brasileira, e produzi-la no continente.
A declaração é dada no momento em que a União Europeia e o Mercosul negociam um acordo comercial, mas o fracasso brasileiro na proteção ambiental, na opinião de algumas autoridades europeias, seria um entrave para avançar no tema.

O cronograma previsto

Se tudo correr dentro do cronograma da Anac, o RBAC-137 deverá ter sua atualização publicada em 2022, 10 anos depois de sua versão. A norma entrou em vigor em maio de 2012, substituindo o antigo Regulamento Brasileiro de Homologação Aeronáutica (RBHA) 137, que era ainda do tempo do Departamento de Aviação Civil (DAC) – órgão substituído em 2006 pela Anac.
A transição do RBHA para o RBAC havia demandado cerca de 10 anos de debates, na época já com participação intensa do Sindag.
A norma chegou a receber algumas alterações pontuais entre fevereiro e maio de 2019 e maio do ano passado.
Ao todo, existem 51 RBACs no âmbito da Anac, abrangendo todos os segmentos da aviação civil. Eles vão desde regras para certificação de produtos e artigos aeronáuticos até requisitos para aviões de transporte de passageiros ou carga, passando pela operação de drones civis e requisitos para oficinas aeronáuticas.
Fonte: Sindag
Comentários CORRIGIR TEXTO