Porto Alegre, segunda-feira, 23 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 23 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 14h43min, 23/11/2020.

Preços aos produtores sobem  98% em 12 meses, informa Farsul

Na comparação entre outubro e setembro, o crescimento foi de 11,89%

Na comparação entre outubro e setembro, o crescimento foi de 11,89%


JOÃO MATTOS/JC
O Índice de Preços Recebidos pelos Produtores Rurais (IIPR), acumula alta de 98,11% no período de 12 meses. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (23) pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), responsável pelo levantamento. Somente em outubro a elevação foi de 11,89%. O resultado, segundo a Farsul, é reflexo da combinação da taxa cambial, menor oferta e demanda interna de alimentos aquecida, reflexo do auxílio emergencial.
O Índice de Preços Recebidos pelos Produtores Rurais (IIPR), acumula alta de 98,11% no período de 12 meses. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (23) pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul (Farsul), responsável pelo levantamento. Somente em outubro a elevação foi de 11,89%. O resultado, segundo a Farsul, é reflexo da combinação da taxa cambial, menor oferta e demanda interna de alimentos aquecida, reflexo do auxílio emergencial.
Na relação com outro indicador, os índices mostram mais uma vez seu descolamento. Enquanto o IIPR acumula alta de 91,24% no ano, o IPCA Alimentos fica em 9,37%. Esses resultados seriam reflexos da taxa de câmbio que atinge patamares historicamente elevados, contribuindo na valorização dos preços agrícolas. Já a baixa da atividade econômica, em decorrência das medidas adotadas no combate à pandemia de Covid-19 afeta muitos produtos que compõe a cesta do IPCA Alimentos.
O Índice de Inflação dos Custos de Produção (IICP) do mês de outubro apresentou uma inflação de 0,85% em relação a setembro, também impactado pela variação cambial que encarece os custos dos insumos importados, o que acaba por fazer com que o indicador tenha uma aceleração maior que o IPCA. No acumulado entre janeiro e outubro, o IICP tem alta de 8,28% contra 2,22%. Com a tendência de manutenção da taxa cambial em níveis altos, a Farsul alerta que o produtor deve ficar atento aos seus custos, que devem manter a trajetória de aceleração.
Comentários CORRIGIR TEXTO