Porto Alegre, sexta-feira, 09 de outubro de 2020.
Dia Mundial dos Correios.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 09 de outubro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Lavouras

- Publicada em 12h34min, 08/10/2020. Atualizada em 08h09min, 09/10/2020.

RS deve colher 36,5 milhões de toneladas de grão, afirma Conab

Colheita esperada supera volume registrado no ciclo anterior à estiagem do último verão

Colheita esperada supera volume registrado no ciclo anterior à estiagem do último verão


EMATER/DIVULGAÇÃO/JC
A nova safra de grãos deve ser marcada por forte recuperação no Rio Grande do Sul, após as fortes perdas sofridas com a estiagem no verão 2019/2020. Segundo o primeiro levantamento da safra 2020/2021, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nesta quinta-feira (8), a estimativa é de que os produtores gaúchos devam colher 36,5 milhões toneladas de grãos no novo ciclo, um aumento de 35,5% ante os 26,9 milhões registrados em 2019/2020.
A nova safra de grãos deve ser marcada por forte recuperação no Rio Grande do Sul, após as fortes perdas sofridas com a estiagem no verão 2019/2020. Segundo o primeiro levantamento da safra 2020/2021, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nesta quinta-feira (8), a estimativa é de que os produtores gaúchos devam colher 36,5 milhões toneladas de grãos no novo ciclo, um aumento de 35,5% ante os 26,9 milhões registrados em 2019/2020.
Na safra 2019/2020, devido à seca, o Rio Grande do Sul teve uma quebra de 24,8% em relação às 35,9 milhões de toneladas do ciclo 2018/2019. Desta forma, se confirmada a colheita prevista para a nova safra, os agricultores do Estado devem superar o patamar anterior à estiagem.
Em todo o País, a Conab espera uma colheita recorde de 268,7 milhões de toneladas. O volume é 4,2% maior do que o recorde anterior, alcançado na safra 2019/2020, quando foram produzidas 257,7 milhões de toneladas.
O maior crescimento previsto pela Conab é na soja. Na safra passada, devido à estiagem, houve uma quebra ante 2018/2019 de 40,4% na produção da oleaginosa, que alcançou apenas 11,4 milhões de toneladas. Agora, a companhia espera que sejam alcançadas 19,4 milhões de toneladas, crescimento de 70%. A área prevista para a cultura se mantém igual à do último ciclo, 5,9 milhões de hectares.
No milho, a colheita esperada para esta safra é de 5,7 milhões de toneladas, 44,8% maior do que as 3,9 milhões de toneladas do ciclo 2019/2020. Com a seca, na última safra, a cultura havia registrado uma quebra de 31,8% ante 2018/2019. A Conab prevê que a área destinada para a lavoura alcance 808 mil hectares, 2,1% maior do que os 791 mil hectares de 2019/2020.
Entre as principais culturas de verão, o arroz é a única que a Conab espera uma queda de produção, com colheita prevista de 7,6 milhões de toneladas, volume 3% inferior às 7,8 milhões de toneladas registradas no último ciclo (quando houve alta de 6,5% em relação a 2018/2019). Em relação à área cultivada, a companhia espera que sejam plantados 968 mil hectares, crescimento de 2,4% em relação aos 946 mil hectares da safra passada.
Em relação às culturas de inverno, a Conab prevê que a colheita do trigo em 2020 alcance 2,7 milhões de toneladas, crescimento de 22,2% ante as 2,2 milhões de toneladas registradas em 2019.
Marcelo Beledeli
Comentários CORRIGIR TEXTO