Porto Alegre, sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Dia do Trânsito.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Defesa Sanitária

- Publicada em 12h16min, 25/09/2020.

Animais apreendidos em Santa Vitória do Palmar são abatidos

Na próxima semana, a carne será doada a entidades beneficentes

Na próxima semana, a carne será doada a entidades beneficentes


Seapdr/Divulgação/JC
Fiscais da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) acompanharam, nesta quinta-feira (24), o abate sanitário de 15 animais apreendidos em ação realizada com a Polícia Civil no último dia 10, na localidade de Espinilho, em Santa Vitória do Palmar. O abate ocorreu em um frigorífico sob inspeção estadual em Pelotas. Na próxima semana, a carne será doada a entidades beneficentes do município onde foi feita a apreensão dos animais.
Fiscais da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) acompanharam, nesta quinta-feira (24), o abate sanitário de 15 animais apreendidos em ação realizada com a Polícia Civil no último dia 10, na localidade de Espinilho, em Santa Vitória do Palmar. O abate ocorreu em um frigorífico sob inspeção estadual em Pelotas. Na próxima semana, a carne será doada a entidades beneficentes do município onde foi feita a apreensão dos animais.
Durante a operação realizada no dia 10, as equipes do Programa Sentinela, da Seapdr, da Delegacia de Combate aos Crimes Rurais e Abigeato (Decrab) de Camaquã e da delegacia de Santa Vitória do Palmar apreenderam 21 bovinos sem procedência em uma propriedade que também não tinha cadastro na inspetoria local.
Seis animais tiveram seus verdadeiros proprietários identificados e foram restituídos. Os 15 animais restantes foram abatidos, sob fiscalização do Serviço Veterinário Oficial. “A carne é apta para consumo humano. As carnes tiveram que ser desossadas, em função de não termos o conhecimento da origem dos animais e o osso representar risco à febre aftosa”, explica Francisco Nunes, chefe da Divisão de Controle e Informações Sanitárias e coordenador do Programa Sentinela na Seapdr.
Comentários CORRIGIR TEXTO