Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

05/06/2018 - 09h01min. Alterada em 05/06 às 09h00min

Cobre amplia ganhos recentes, ainda de olho em negociações salariais no Chile

Os futuros de cobre operam em alta nesta manhã de terça-feira (5), ampliando ganhos recentes, ainda em meio a negociações salariais no setor minerador chileno que podem ter impacto na oferta do metal.
Os futuros de cobre operam em alta nesta manhã de terça-feira (5), ampliando ganhos recentes, ainda em meio a negociações salariais no setor minerador chileno que podem ter impacto na oferta do metal.
Por volta das 6h15min (de Brasília), o cobre para três meses negociado na London Metal Exchange (LME) subia 0,5%, a US$ 7.019,00 por tonelada. Na Comex, a divisão de metais da bolsa mercantil de Nova Iorque (Nymex), o cobre para entrega em junho tinha alta de 0,48%, a US$ 3,1495 por libra-peso, às 7h30min (de Brasília).
Investidores estão atentos esta semana a possíveis rupturas na oferta, uma vez que a mineradora anglo-australiana BHP Billiton retomou negociações com trabalhadores da mina chilena de Escondida, a maior de exploração de cobre do mundo. No ano passado, uma greve de 44 dias na mina comprometeu a produção e impulsionou os preços do metal. "Qualquer interrupção significativa da mão de obra poderá ser um catalisador para os preços do cobre", comentou Sam Crittenden, analista do RBC, em nota a clientes.
Desde o começo do ano, o cobre tem operado sob pressão e acumula perdas de 3%, prejudicado por temores sobre uma eventual desaceleração da China e pela tendência de valorização do dólar. Nas últimas sessões, no entanto, o cobre tem mostrado maior resistência e se mantido dentro de uma estreita faixa de preços.
Entre outros metais básicos na LME, o viés era majoritariamente positivo: no horário indicado acima, o zinco avançava 1,6%, a US$ 3.170,00 por tonelada, o alumínio ganhava 0,9%, a US$ 2.329,00 por tonelada, o níquel tinha alta de 0,10%, a US$ 15.515,00 por tonelada, o e o chumbo subia 1%, a US$ 2.525,00 por tonelada. Exceção no mercado inglês, o pouco negociado estanho caía 0,30%, a US$ 20.610,00 por tonelada.