Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

04/06/2018 - 08h12min. Alterada em 04/06 às 08h16min

Petróleo opera em baixa, de olho na produção dos EUA e à espera de sinal da Opep

O petróleo recua na manhã desta segunda-feira (4), em meio a incertezas sobre os próximos passos da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e também em reação a sinais fortes da produção dos Estados Unidos.
O petróleo recua na manhã desta segunda-feira (4), em meio a incertezas sobre os próximos passos da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) e também em reação a sinais fortes da produção dos Estados Unidos.
Às 7h57min (de Brasília), o petróleo WTI para julho caía 0,59%, a US$ 65,42 o barril, na New York Mercantile Exchange (Nymex), e o Brent para agosto tinha baixa de 1,37%, a US$ 75,74 o barril, na ICE.
"Os participantes do mercado desejariam ter mais clareza da Opep" sobre a possível alta na produção, afirmou Giovanni Staunovo, analista de commodities do UBS Wealth Management.
O Brent recuou cerca de 5% desde o fim de maio, com a notícia de que a Arábia Saudita, líder na prática da Opep, e a Rússia estão perto de um acordo para produzir mais. No mês passado, o Brent atingiu o patamar simbólico de US$ 80 o barril pela primeira vez desde novembro de 2014, em parte por causa da decisão do presidente americano, Donald Trump, de abandonar o acordo nuclear internacional de 2015 com o Irã. A decisão abriu espaço para sanções econômicas americanas contra os iranianos.
"A perspectiva de Opep e Rússia expandirem sua produção de petróleo no segundo semestre leva investidores especuladores a deixar o mercado", afirmam analistas do Commerzbank.
Além disso, os preços são pressionados após na semana passada ser divulgado que a produção dos EUA subiu mais, a 10,47 milhões de barris por dia. Ao mesmo tempo, o número de poços e plataformas em atividade no país subiu 2 na última semana, a 861, de acordo com a Baker Hughes.