Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 31 de maio de 2018.
Corpus Christi. Dia Mundial de Combate ao Fumo.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Registro Espúrio

Notícia da edição impressa de 01/06/2018. Alterada em 31/05 às 21h07min

PF deflagra operação contra deputados por 'mensalão sindical'

A Polícia Federal (PF) deflagrou, nesta quarta-feira, a Operação Registro Espúrio, que investiga um esquema de corrupção na liberação de registros sindicais no Ministério do Trabalho. Entre os alvos das diligências estão o presidente do PTB, o ex-deputado Roberto Jefferson; o deputado Jovair Arantes, líder do partido na Câmara; e os deputados Paulinho da Força (SD-SP) e Wilson Filho (PTB-PB).
A PF fez buscas em dezenas de endereços - entre eles, as sedes do PTB e do SD - e chegou a pedir a prisão de Jefferson, mas, diante do parecer contrário da Procuradoria-Geral da República, o ministro Edson Fachin, relator do caso do Supremo Tribunal Federal, rejeitou o pedido. Fachin, porém, decretou medidas cautelares contra os parlamentares, que foram proibidos de frequentar o ministério, de se relacionar com sindicatos e de ter contato com outros investigados. Segundo a PF, servidores do alto escalão do ministério agilizavam a tramitação de processos de registro de sindicatos dispostos a pagar pelos serviços. 
Em nota, Jefferson afirma que a direção nacional do PTB "jamais participou de quaisquer negociações espúrias no Ministério do Trabalho". Paulinho da Força negou as acusações, e Jovair Arantes não foi localizado. O Ministério do Trabalho informou que está acompanhando atentamente as ações da PF. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia