Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de maio de 2018.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 23/05/2018. Alterada em 22/05 às 22h37min

Temer desiste de concorrer e lança Meirelles ao Planalto

Michel Temer disse que ex-ministro (e) é 'o melhor entre os melhores'

Michel Temer disse que ex-ministro (e) é 'o melhor entre os melhores'


/ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Pressionado pelos correligionários do MDB a desistir da reeleição e assumir publicamente a pré-candidatura à presidência de Henrique Meirelles, o presidente Michel Temer seguiu o desejo do partido e lançou, na manhã desta terça-feira, o nome do ex-ministro da Fazenda.
Discursando para uma plateia de emedebistas no lançamento do documento "Encontro com o futuro", realizado na Fundação Ulysses Guimarães, Temer se referiu a Meirelles como "o melhor entre os melhores" para representar o partido e o campo de centro nas eleições presidenciais de outubro. Ao declarar apoio ao ex-ministro da Fazenda, Temer abandona suas pretensões eleitorais e, por consequência, sua carreira nas urnas.
"Ficarei orgulhosíssimo se um dia Meirelles for proclamado, pelo voto popular, presidente do Brasil. O Meirelles é o melhor entre os melhores. Por isso, tem condições de estar à frente do nosso partido e à frente da nossa campanha eleitoral. Chamamos você e chamamos para ser presidente do Brasil!", discursou Temer.
Além de referendar o nome do ex-ministro, o presidente mandou um recado direto aos partidos de centro, ao defender que Meirelles seja o "único candidato" desse conjunto de partidos.
Meirelles disse que o presidente Temer será um "bom cabo eleitoral", ao responder a uma pergunta sobre o índice de rejeição do presidente da República e das denúncias apresentadas contra ele pelo Ministério Público.
Ao lado do presidente do MDB, senador Romero Jucá, ele disse que Temer não desistiu de ser candidato, apenas tomou uma "decisão" em favor de seu nome.
"O presidente certamente será um cabo eleitoral positivo, porque ele está realizando, e os dados falam por si só. Meu histórico é um histórico de uma reputação inquestionável. Isso vai prevalecer", disse Meirelles.
Otimista, ele afirmou que sua meta não é fixar um aumento imediato nas pesquisas de intenção de voto, e sim vencer a eleição. E que, se não conseguir obter, ainda no primeiro turno, o apoio do chamado centrão, que hoje está unido em torno da pré-candidatura do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), o fará no segundo turno.
Perguntado sobre quem bancará sua campanha, já que, nos bastidores, emedebistas nutrem a expectativa de que ele se autofinancie, coube ao presidente da sigla responder.
Jucá disse que isso ainda está sendo discutido, e também fez outro aceno aos correligionários, dizendo que, nos estados, os palanques estarão "liberados" para que os candidatos façam as alianças que desejarem no plano local.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia