Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 14 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

eleições 2018

Notícia da edição impressa de 15/05/2018. Alterada em 14/05 às 20h48min

Candidatos não querem debater Previdência, diz Padilha

Planalto considera tentar alterações nas regras da aposentadoria após o período eleitoral, diz Padilha

Planalto considera tentar alterações nas regras da aposentadoria após o período eleitoral, diz Padilha


MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha (PMDB), disse ontem que o governo não tem visto "muita vontade" dos pré-candidatos à presidência da República em discutir o tema da reforma da Previdência. A crítica foi feita porque, segundo Padilha, o Palácio do Planalto considera tentar aprovar as alterações nas regras da aposentadoria ainda em 2018, após o período eleitoral.
"Devo lastimar que não conseguimos levar a cabo a reforma da Previdência, por enquanto pelo menos. Temos até 31 de dezembro, e essa possibilidade não está extinta. Nós estamos ouvindo os candidatos, e não temos visto muita vontade de discussão com o tema previdenciário. Por vezes, a posição do candidato não é a posição do eleito. Então nós vamos ver com quem se eleger se não há interesse que a gente resolva isso ainda em 2018", afirmou.
Além disso, o ministro respondeu positivamente sobre a possibilidade de o governo suspender a intervenção federal no Rio de Janeiro para que a proposta seja apreciada pela Câmara dos Deputados e pelo Senado Federal. Isso porque, durante a vigência da intervenção, o Legislativo fica impossibilitado de modificar a Constituição.
"A marca do governo foi o compromisso com reformas estruturais, que estavam sendo exigidas há muito tempo, e faltou disponibilidade dos governantes anteriores para fazê-las. Conseguimos fixar o teto de gastos públicos, a modernização da legislação trabalhista, a reforma do Ensino Médio. O governo levou o País de volta aos trilhos. Temos inflação e juros sob controle, e a bolsa de valores praticamente duplicou seu valor nesses dois anos. O que nos dá a impressão de que estamos no caminho certo", disse.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia