Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Alterada em 07/05 às 13h18min

'O PSDB é sustentado pelo sistema que eu estou contestando', diz Álvaro Dias

Senador paranaense descartou a possibilidade de se tornar vice na chapa de Geraldo Alckmin

Senador paranaense descartou a possibilidade de se tornar vice na chapa de Geraldo Alckmin


ANTONIO CRUZ/ABR/JC
Folhapress
Em conversa com os partidos de centro que tentam disputar a Presidência da República, o senador e presidenciável Álvaro Dias (Podemos-PR) descarta qualquer aliança com o PSDB ou possibilidade de se tornar vice na chapa do ex-governador paulista Geraldo Alckmin.
"O PSDB é sustentado pelo sistema que eu estou contestando", disse o paranaense nesta segunda-feira (7), em sabatina ao jornal Folha de S.Paulo, o portal UOL e ao SBT. O senador, que entre outros partidos já passou pelo PSDB, diz que governaria em um modelo suprapartidário e afirma que deixou a legenda por insatisfações com a forma de governança adotada pelos tucanos, com distribuição de cargos entre aluados
"É contraditório, mas eu nunca mudei de partido, porque não temos partidos no Brasil", disse. Dias é favorável a bandeiras como a continuidade da Lava Jato e fim do foro privilegiado, mas também maior armamento da população e maior rigor na segurança pública, com "providências mais rigorosas sem o risco de punições eventuais" à polícia.
Na entrevista, ele defendeu que seja adotado um "imposto quase único" no país, com eventual retorno da extinta CPMF. Também afirmou ser a favor de uma reforma trabalhista, mas contra o modelo aprovado no governo Temer.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia