Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 06 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

Notícia da edição impressa de 07/05/2018. Alterada em 06/05 às 21h15min

Temer admite apoio a Alckmin ou outro candidato do centro

O presidente Michel Temer (PMDB) admitiu, em entrevista gravada ao SBT na sexta-feira, que pode desistir de ser candidato à reeleição e apoiar outro candidato de centro, como o ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB), nas eleições presidenciais.
"Eu não teria dificuldade, não. Se houver uma conjugação política nestes termos que estou dizendo. Se houver algo que seja útil para o País, e daí a história da união de todos os candidatos de centro, por que não apoiar?", declarou o presidente, ao ser questionado sobre a possibilidade de apoiar um candidato de centro, como Alckmin, conforme transcrição de trecho da entrevista divulgada neste domingo pela emissora. Temer foi entrevistado pelos jornalistas Débora Bergamasco, Carlos Nascimento, Bruno Boghossian e Fernando Rodrigues.
Conforme o portal Poder360, o presidente citou outros nomes além de Alckmin em sua resposta: Henrique Meirelles (PMDB), Flávio Rocha, Afif Domingos, Paulo Rabello de Castro e Rodrigo Maia (DEM). O peemedebista também falou sobre o depoimento de sua filha Maristela Temer à Polícia Federal, em São Paulo. Ela foi ouvida no âmbito da Operação Skala, que apura suspeitas de corrupção envolvendo o peemedebista, aliados políticos e empresas do setor portuário. A investigação apura se a reforma da residência de Maristela foi utilizada para lavar dinheiro de propina.
Temer disse que a reforma aconteceu, mas que não houve dinheiro ilícito envolvido. "Ela fez uma pequena reforma e depois, quando resolveu voltar para São Paulo, dois anos depois, fez uma nova reforma.te auxílio. Mas foi uma reforma regularmente paga, regularmente esclarecida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia