Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 03 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Justiça

Notícia da edição impressa de 04/05/2018. Alterada em 03/05 às 22h52min

Ex-presidente da Câmara Henrique Alves vai cumprir pena em casa

Alves obteve decisão do TRF-1

Alves obteve decisão do TRF-1


/Tomaz Silva/Agência Brasil/JC
Quase um ano após ser preso por ter mantido conta na Suíça suspeita de receber propina, o ex-ministro e ex-presidente da Câmara Henrique Eduardo Alves (PMDB-RN) obteve uma decisão por sua soltura nesta quinta-feira no Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1). O desembargador federal Ney Bello entendeu que a prisão preventiva não se justifica mais, porque seus processos já estão em fase final e ainda sem julgamento.
No processo que corre na Justiça do Rio Grande do Norte, porém, ele tem uma ordem de prisão domiciliar. Assim, terá de ficar em casa ao sair da cadeia. No habeas corpus, a defesa de Henrique Alves argumentou que a prisão já havia ultrapassado 300 dias sem que seu julgamento se encerrasse.
Alves também é acusado de receber R$ 7 milhões das empreiteiras OAS e Odebrecht em doação legal ou via caixa-2, em troca de atuar para favorecer as empresas em obras como a construção da Arena das Dunas, em Natal. O ex-ministro também é acusado de receber propina da Carioca Engenharia em troca de favorecer a empresa na Caixa Econômica. A defesa nega as acusações.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia