Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de maio de 2018.
Dia Mundial da Energia. Dia do Estatístico. Dia do Geógrafo.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Oriente Médio

Notícia da edição impressa de 30/05/2018. Alterada em 29/05 às 22h35min

Israel promove novo bombardeio contra a Faixa de Gaza

Jatos israelenses bombardearam a Faixa de Gaza durante horas nesta terça-feira, após militantes do território dispararem morteiros em comunidades no sul israelense, no que parece ter sido a maior ação do tipo desde a guerra entre o Hamas e Israel, em 2014. As Forças Armadas israelenses disseram que ninguém se feriu por causa dos morteiros e que a maioria foi interceptada pelo sistema de defesa. Um deles, porém, caiu perto de uma escola infantil pouco antes de ela começar a funcionar.
O episódio ocorre em meio a tensões na fronteira. "Israel cobrará um alto preço para aqueles que buscam prejudicá-la e veem o Hamas como responsável por evitar tais ataques", comentou o premiê israelense, Benjamin Netanyahu. Agentes de segurança de Israel afirmaram que bombas foram lançadas sobre o que seria um local de treinamento do grupo Jihad Islâmica. Ainda não há informações sobre feridos. Um líder do Jihad Islâmica em Gaza, Khaled al-Batsh, defendeu que o grupo tem o direito de responder aos "crimes sionistas".
A área fronteiriça tem registrado tensão nas últimas semanas, enquanto os palestinos realizam grandes protestos para tentar acabar com o bloqueio imposto por Israel e Egito após o Hamas chegar ao poder. Israel já matou mais de 110 palestinos, a maioria durante protestos liderados pelo Hamas, ocorridos também por causa da instalação da embaixada dos Estados Unidos em Jerusalém. Os palestinos querem Jerusalém Oriental como parte de sua futura capital independente.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia