Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de maio de 2018.
Dia da Indústria e dia do Aniversário do Jornal do Comércio.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 25/05 às 09h22min

Japão minimiza a suspensão da reunião entre Kim e Trump

Nesta sexta-feira (25), Shinzo Abe está na Rússia e deve tratar sobre a questão da Coreia do Norte

Nesta sexta-feira (25), Shinzo Abe está na Rússia e deve tratar sobre a questão da Coreia do Norte


KIRILL KUDRYAVTSEV/AFP/JC
O Japão afirmou que vai continuar trabalhando com os Estados Unidos e a Coreia do Sul para pressionar a Coreia do Norte depois que o presidente Donald Trump cancelou o encontro com o ditador norte-coreano, Kim Jong-un. "O que é importante não é a realização de uma reunião de cúpula norte-americana, mas sim transformar essa reunião em uma oportunidade de progresso nas questões nucleares e de mísseis e, acima de tudo, na questão dos presos políticos", disse um comunicado do Ministério das Relações Exteriores.
O Japão exigiu o retorno de cidadãos que foram sequestrados pela Coreia do Norte nos anos 1970 e 1980. "Continuaremos a colaborar estreitamente com os EUA e a Coreia do Sul para fazer a Coreia do Norte mudar suas políticas", disse o comunicado.
O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, está atualmente na Rússia e deve falar sobre a questão da Coreia do Norte durante sua estada lá. Abe se encontrará com o presidente russo Vladimir Putin no sábado. 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia