Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de maio de 2018.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

América Latina

Notícia da edição impressa de 23/05/2018. Alterada em 22/05 às 20h22min

Oposição exige novas eleições na Venezuela

Maduro obteve 67,7% dos votos em pleito com 54% de abstenção

Maduro obteve 67,7% dos votos em pleito com 54% de abstenção


/LUIS ROBAYO/AFP/JC
Após a abstenção recorde na votação deste domingo, a coalizão oposicionista Mesa da Unidade Democrática (MUD) exigiu a realização de um novo pleito no fim deste ano e prometeu convocar protestos pela Venezuela. "Continuamos lutando por eleições livres e transparentes, com todas as garantias, e que se celebrem no final do ano para que o povo se expresse", afirmou o presidente da Assembleia Nacional - de maioria opositora -, Omar Barboza, em entrevista coletiva.
O parlamentar falou na condição de porta-voz da Frente Ampla, que pregou o boicote eleitoral e reúne a MUD, a Igreja Católica venezuelana e grêmios de estudantes universitários, entre outras organizações pró-democracia.
Com 98,8% das urnas apuradas, a abstenção chegava a 54%, a mais alta já registrada em eleições presidenciais na Venezuela. No pleito anterior, em 2013, havia sido de 20,3%. Maduro obteve 67,7% dos votos, contra 21% do oposicionista Henri Falcón. No cômputo geral, 24% dos 20,5 milhões de venezuelanos aptos a votar escolheram Maduro, acusado por Falcón de coagir os eleitores no dia da votação. O ex-chavista não reconheceu o resultado e também pediu nova eleição.
Na segunda-feira, o governo brasileiro e os de outros 13 países anunciaram não reconhecer o pleito e disseram que irão convocar seus embaixadores em Caracas para consultas. Os representantes diplomáticos da Venezuela em cada um dos territórios também serão convocados para receberem um protesto oficial.
O grupo anunciou medidas para pressionar Caracas a respeitar as decisões da Assembleia Nacional, como a intensificação da fiscalização de crimes financeiros de empresas ou indivíduos venezuelanos. Os 14 países pediram, ainda, que instituições financeiras regionais e internacionais se neguem a emprestar dinheiro ao regime, exceto nos casos em que a verba seja utilizada para ajuda humanitária.
Os Estados Unidos reagiram ao resultado do pleito ampliando as sanções que bloqueiam ativos venezuelanos no país, incluindo as propriedades da principal fonte de receita chavista, a petrolífera estatal PDVSA. As sanções proíbem a compra de ativos estatais do país ou de créditos que Caracas tenha para receber no futuro.
 

Maduro agradece Rússia, China, Turquia e Opep por reconhecer sua reeleição

O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, usou o Twitter para agradecer aos líderes de Rússia, China, Turquia e à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) por reconhecerem a reeleição. Maduro afirmou que fortes laços de cooperação unem Venezuela e Rússia, e agradeceu o presidente Vladimir Putin pelo "reconhecimento do nosso triunfo".
Sobre a China, disse que ambos os países continuarão "seu destino comum, de desenvolvimento e prosperidade". Maduro também desejou êxito nas eleições de junho ao presidente turco, Recep Tayyip Erdogan. Em relação à posição da Opep, o venezuelano agradeceu o secretário-geral Mohammed Barkindo. "A organização pode seguir contando com a Venezuela para continuar escrevendo um novo capítulo da história petroleira."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia