Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

relações internacionais

Alterada em 09/05 às 17h37min

Sanções que estavam em vigor antes do acordo com Irã retornarão, dizem EUA

A porta-voz da Casa Branca, Sarah Sanders, confirmou nesta quarta-feira que as sanções que estavam em vigor antes do acordo nuclear com o Irã retornarão, após os EUA abandonarem essa iniciativa. Ela deu a declaração ao ser questionada, em entrevista coletiva, sobre o fato de que outras nações envolvidas no acordo, como a França, a Alemanha e o Reino Unido, desejam mantê-lo e avaliam como seria possível fazer isso.
Sanders lembrou que haverá um período para implementação das sanções. Segundo ela, porém, o governo do presidente Donald Trump prepara novas sanções contra o Irã, que podem ser anunciadas já na próxima semana. Como Trump havia feito ontem ao anunciar a retirada dos EUA do acordo nuclear, Sanders disse que existe a possibilidade de um novo pacto, mas em novos termos e com maior controle sobre o programa nuclear e de mísseis de Teerã. Enquanto isso, ela disse que será mantida "pressão máxima" contra o país. "Estamos muito comprometidos para que o Irã não tenha armas nucleares."
A porta-voz também comentou a libertação de três presos americanos na Coreia do Norte. Mais cedo, Trump comentou no Twitter que o trio estava retornando e aparentemente tinha boa saúde. Os três americanos, Kim Dong-chul, Tony Kim e Kim Hak-song, haviam sido acusados de espionagem. Sanders disse que a libertação foi "um passo na direção correta". Sem fazer previsões, ela disse que os EUA estão comprometidos com o fim das armas nucleares da Coreia do Norte e que poderia haver um acordo entre os dois governos. Trump deve se reunir com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, em data ainda não definida.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia