Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 09 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Relações internacionais

Alterada em 09/05 às 10h20min

Países reagem à saída dos EUA de acordo nuclear com o Irã

Agência Brasil
O Japão mostrou nesta quarta-feira (9) apoio ao acordo nuclear com o Irã após a decisão dos Estados Unidos de deixar o pacto assinado em 2015, e pediu ao resto das potências signatárias que adotem "medidas construtivas" para a manutenção do acordo. A China também se manifestou e pediu a todas as partes que assumam uma "atitude responsável" para garantir a implementação da medida.
"O Japão segue apoiando o JCPOA, que contribui para o fortalecimento do regime internacional de não proliferação nuclear e para a estabilidade no Oriente Médio, e espera que as partes pertinentes adotem medidas construtivas", disse o chanceler japonês, Taro Kono, em comunicado.
Para Kono, "será desanimador" se o anúncio da retirada dos EUA dificultar a continuidade do acordo. Ele afirmou que seu governo manterá uma "estreita comunicação" com os outros envolvidos para manter a medida. O país asiático prestará "muita atenção à situação enquanto analisa cuidadosamente a possível influência que este anúncio feito pelo presidente americano Donald Trump possa causar", acrescentou o ministro japonês de Relações Exteriores no texto.
China rejeita decisão de Trump
"A China rejeita a decisão tomada pelos Estados Unidos", ressaltou o porta-voz chinês do Ministério de Relações Exteriores Geng Shuang em entrevista coletiva e reiterou o apoio de Pequim ao pacto com Teerã.
Geng chamou as partes envolvidas a assumir uma "atitude responsável" e lembrou que o acordo deve ser aplicado para garantir a integridade e proteger o princípio da não proliferação nuclear e, como consequência, a paz internacional. Por sua vez, a China continuará com os intercâmbios e a cooperação que mantém com o Irã sem violar nenhum acordo internacional, afirmou o porta-voz chinês.
Pequim também se mostrou aberta a manter conversas com as partes para garantir a proteção e a implementação do pacto nuclear. A decisão de Trump despertou incerteza na Europa e no Oriente Médio, pois complica a manuenção do acordo multilateral que impôs limites e inspeções ao programa atômico do Irã em troca da suspensão de sanções internacionais.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia