Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Violência

Notícia da edição impressa de 08/05/2018. Alterada em 07/05 às 22h50min

Índia prende suspeito de estuprar adolescente e queimá-la viva

A polícia indiana prendeu, no domingo, o principal suspeito do estupro e assassinato de uma adolescente queimada viva, o último caso de uma série de agressões sexuais contra mulheres no país. O chefe da aldeia onde o crime aconteceu também foi preso, e a família da vítima de 16 anos está sob proteção especial da polícia.
O principal suspeito, Dhanu Bhuiyan, foi encontrado na casa de parentes, onde estava escondido desde o ataque contra a jovem, em um distrito remoto do estado de Jharkhand (Leste). A jovem foi sequestrada em sua casa, na quinta-feira, enquanto sua família estava em um casamento. Depois, foi estuprada em uma floresta.
A família então apresentou uma denúncia ao conselho de anciãos da aldeia, que, na sexta-feira, ordenou que dois acusados fizessem 100 abdominais e pagassem uma multa de 50 mil rúpias (R$ 2.600,00). Furiosos com a sentença, Bhuiyan e outros suspeitos espancaram os pais da menina e incendiaram sua casa com a jovem dentro.
Os conselhos de anciãos geralmente resolvem disputas para evitar o sistema judicial, lento e caro na Índia. Embora suas decisões não tenham força jurídica, são respeitadas nas comunidades rurais. Ao todo, 18 pessoas teriam participado do crime, de acordo com as autoridades. "Já prendemos 15 e estamos em uma caçada para capturar o restante", informou o inspetor de polícia do estado de Jharkhand, Ashish Batra.
Segundo os dados oficiais mais recentes, de 2016, 40 mil mulheres são estupradas por ano na Índia e, em 40% dos casos, a vítima tem menos de 18 anos. Porém o número real pode ser maior, já que muitos casos não são informados às autoridades. Pressionado, o governo anunciou, em 21 de abril, uma proposta de mudança da lei, aumentando a pena para estupradores e instituindo a pena de morte para o agressor quando a vítima tiver menos de 12 anos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia