Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de maio de 2018.
Dia da Indústria e dia do Aniversário do Jornal do Comércio.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Protestos

25/05/2018 - 11h20min. Alterada em 25/05 às 11h28min

Luisa Mell faz apelo para que caminhoneiros alimentem ou soltem animais

A ativista publicou vídeo com mensagem no Instagram na quinta-feira (24)

A ativista publicou vídeo com mensagem no Instagram na quinta-feira (24)


LUISA MEL/INSTAGRAM/DIVULGAÇÃO/JC
A apresentadora e ativista dos direitos dos animais Luisa Mell fez um apelo aos caminhoneiros que paralisaram os serviços esta semana. Em um vídeo publicado no Instagram, ela pede que os profissionais liberem e alimentem os animais que estão sendo transportados nos veículos de carga - e que estão sem comer.
"Caminhoneiros de todo o Brasil, eu imploro para vocês, os animais não têm culpa, eles são vítimas. A greve de vocês é legítima, mas matar animais de fome não é. Por favor, liberem os animais, alimentem os animais", disse no vídeo. Na legenda da publicação, ela reforçou o apelo. "Amigos de todo o Brasil, me ajudem! Caminhoneiros, greve é um direito de vocês, mas, pelo amor de Deus, não façam esta crueldade, eles são vítimas indefesas. Liberem os animais", escreveu.
De acordo com anúncio feito ontem (24) pela Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), com racionamento de de ração em função dos protestos nas rodovias, os animais das indústrias de frango e suínos devem ser sacrificados antes do abate (abate sanitário). 
 
Segundo o diretor-executivo da ABPA, Ricardo Santin, as empresas não estão conseguindo levar alimento aos animais, que já começam a morrer e praticar canibalismo. "Trabalhamos com todas as normas de bem-estar para o abate, mas não estamos conseguindo cumprir com as regras porque estão sem comida", diz. Segundo Santin, 120 frigoríficos estão fechados no país e o prejuízo nas exportações de aves e suínos já supera os U$ 100 milhões. "Mas o maior problema agora é em relação à sobrevivência dos animais."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia