Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 01 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Imprensa

01/05/2018 - 10h06min. Alterada em 01/05 às 10h07min

Entidades repudiam intimidação de repórter por presidente de sindicato dos jornalistas

A Associação Nacional de Jornais (ANJ), a Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert) e outras entidades divulgaram notas de repúdio ao que foi considerado um ato de intimidação ao jornalista Marc Sousa, da Ric TV, afiliada da Record TV.
Em vídeo divulgado nas redes sociais, o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul (Sindijor), Milton Simas Júnior, aparece "aconselhando" o repórter a não se aproximar do acampamento de militantes pró-Lula, em Curitiba.
A ANJ se pronunciou em defesa da liberdade de expressão. "O dirigente sindical agiu como militante intolerante e não como representante dos jornalistas", declarou o diretor executivo da ANJ, Ricardo Pedreira. O Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná emitiu nota reiterando que qualquer tipo de intimidação é inaceitável. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) destacou que o jornalista estava em um espaço público e que deveria ter total liberdade para trabalhar.
A Associação Riograndense de Imprensa (ARI) e a Associação Brasileira de Rádio e Televisão (Abert) também se manifestaram contra a tentativa de intimidação.
A exceção foi o Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Rio Grande do Sul, que alegou que seu presidente queria preservar a integridade de Sousa. "A conversa mostra, perfeitamente, a intenção do sindicalista de proteger o profissional." Na noite dessa segunda-feira, Simas publicou um vídeo nas redes sociais no qual pede desculpas por qualquer tipo de excesso ou tom enérgico e indevido com a equipe de TV e alega que as imagens veiculadas foram editadas, retirando trechos que ele defende sobre liberdade de expressão.
Baleado em um ataque a tiros contra o acampamento Marisa Letícia, na madrugada de sábado, Jefferson Lima de Menezes, de 39 anos, teve alta ontem da Unidade de Tratamento Intensivo (UTI) e foi transferido para a enfermaria do Hospital do Trabalhador, de acordo com informações da Secretaria da Saúde do Paraná.  
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia