Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Varejo

29/05/2018 - 10h37min. Alterada em 29/05 às 10h50min

Supermercados garantem abastecimento de itens não-perecíveis por 10 dias

Sete dos 13 produtos que compõe o conjunto de alimentos ficaram mais baratos no mês passado

Sete dos 13 produtos que compõe o conjunto de alimentos ficaram mais baratos no mês passado


MARCO QUINTANA/JC
Paulo Egídio
Representante do setor supermercadista, a Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) informou que não há risco de desabastecimento de alimentos no Estado. Segundo a entidade, os estabelecimentos gaúchos ainda têm estoques disponíveis para os próximos dez dias. 
Representante do setor supermercadista, a Associação Gaúcha de Supermercados (Agas) informou que não há risco de desabastecimento de alimentos no Estado. Segundo a entidade, os estabelecimentos gaúchos ainda têm estoques disponíveis para os próximos dez dias. 
A exceção são produtos perecíveis, como laticínios, carnes e itens do setor de hortifrúti, em que ainda não é registrado desabastecimento, mas há dificuldade de reposição.
A associação espera que, nos próximos dias, as entregas voltem a ser retomadas normalmente.

Ceasa registra movimento abaixo do normal e alta nos preços

Com a paralisação dos caminhoneiros, o movimento da Companhia de Abastecimento (Ceasa) de Porto Alegre segue em baixa. Segundo a assessoria da entidade, o fluxo segue em 20% da capacidade normal, devido a ausência de consumidores do interior do estado.
O setor mais afetado é o atacadista, já que os caminhões que trazem alimentos de outros estados e de fora da Capital não tem chegado à companhia. Produtos como tomate, cebola e batata são adquiridos apenas de produtores da Região Metropolitana de Porto Alegre.
A companhia inclusive parou de fazer a cotação de preços dos produtos, considerados “especulativos”. O ágio, no entanto, não chega a patamares registrados no centro do País. No Rio de Janeiro, por exemplo, saco de batatas chegou a ser vendido por R$ 500,00 na semana passada.
De acordo com a Ceasa, se a situação fosse normalizada, três dias seriam necessários para retomar o movimento dos dias normais, em que são recebidos de 4 mil a 5 mil compradores por dia.