Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de maio de 2018.
Dia da Saúde.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

tributos

Alterada em 28/05 às 19h07min

AEB critica uso do Reintegra para cobrir redução de tributos sobre o diesel

O presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro, criticou a intenção do governo de cortar parte do Reintegra para ajudar a compensar a perda de arrecadação que terá com a redução de tributos sobre o diesel, acordada com caminhoneiros em greve. O Reintegra é o programa que prevê a devolução de 2% do faturamento de empresas com exportação de produtos industrializados.
Para Castro, os exportadores terão dois aumentos de custos advindos das negociações do governo - a reoneração da folha de pagamentos, que atingirá o setor, e a redução do Reintegra. "Os manufaturados brasileiros já estão sem competitividade, vamos nos tornar uma colônia exportadora de commodities", afirmou.
No ano passado, o governo gastou com o Reintegra cerca de R$ 3 bilhões, valor que deverá ser maior em 2018 com o crescimento das vendas de manufaturados, que subiram quase 20% de janeiro a abril. Segundo o Broadcast, serviço de notícias em tempo real do Grupo Estado. apurou, o Ministério da Fazenda já vinha discutindo acabar com o Reintegra para 2019. A avaliação em áreas do governo é que a equipe econômica quer aproveitar a crise dos combustíveis para emplacar essa e outras demandas.
Para Castro, mexer no Reintegra neste ano prejudicaria a previsibilidade nas operações. "Nós fazemos contratos de três, cinco anos para venda de manufaturados. O governo não pode mexer na regra do jogo assim", completou.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia