Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

greve

Notícia da edição impressa de 24/05/2018. Alterada em 23/05 às 23h23min

Juiz do Distrito Federal determina liberação imediata de estradas e autorizou ação das polícias

Greve cresceu nesta quarta-feira com a adesão de mais motoristas

Greve cresceu nesta quarta-feira com a adesão de mais motoristas


/FERNANDO FRAZÃO/ABR/JC
Em uma vitória para o Palácio do Planalto, o juiz federal Marcelo Rebello Pinheiro, do Distrito Federal, atendeu ao pedido da União e concedeu liminar para assegurar a imediata liberação do tráfego em seis rodovias federais: BR-040, BR-050, BR-060, BR-070, BR-080 e BR-251.
"Não se cuida, sob nenhuma perspectiva, de impedir o direito de manifestação daqueles que atualmente ocupam as rodovias, apenas necessária intervenção judicial para coibir o excesso nas condutas noticiadas, sobretudo no que se refere à obstrução total do tráfego de veículos nas regiões indicadas", afirmou o juiz federal em sua decisão.
Marcelo Rebello Pinheiro também autorizou a Polícia Rodoviária Federal e a Polícia Federal a adotarem "medidas indispensáveis ao resguardo da ordem e, principalmente, para segurança das pessoas afetadas com o movimento paredista", como pedestres, motoristas, passageiros e os próprios participantes do movimento.
O juiz federal do DF ainda permitiu o uso da força policial para assegurar que, no processo de desobstrução das rodovias, "não sejam praticados atos ilícitos ou depredatórios".
A decisão do juiz foi feita no âmbito de um processo de reintegração de posse da União contra a Associação Brasileira de Caminhoneiros (Abcam) e/ou "pessoas incertas e não conhecidas".
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia