Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de maio de 2018.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Economia

Alterada em 22/05 às 19h13min

Dólar fecha em baixa ante várias emergentes e rivais na véspera de ata do Fed

O dólar fechou em ligeira baixa nesta terça-feira (22) ante várias moedas rivais e de países emergentes, numa sessão em que investidores aproveitaram para ajustar posições, incluindo alguma realização de lucros, na véspera da divulgação da ata da reunião de política monetária mais recente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos). Em movimento à parte, a lira turca teve novo dia de forte depreciação em relação à divisa americana.
Perto do horário de fechamento em Nova Iorque, o dólar recuava a 110,92 ienes, enquanto a libra avançava a US$ 1,3432. O euro, por sua vez, cedia a US$ 1,781.
Já o índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de seis moedas principais, fechou em queda de 0,07%, aos 93,609 pontos.
A depender de sue conteúdo, a revelação amanhã da ata da reunião mais recente de política monetária do Fed pode desmontar parte das expectativas entre investidores de que o fortalecimento da economia dos EUA acelere a inflação e leve o BC a aumentar o ritmo de seu aperto monetário.
Esse cenário, um dos principais fatores por trás do rali recente do dólar, tenderia a reduzir a disponibilidade de dinheiro no mercado americano, encarecendo a moeda do país. Mas, se a linguagem dos dirigentes do Fed se mostrar mais 'dovish' do que o esperado, pode haver um reajuste de expectativas quanto à inflação nos EUA.
Em outra frente, o Banco Central da República da Argentina (BCRA) decidiu hoje manter sua taxa básica de juros inalterada em 40%, citando a necessidade de que ela permaneça em "em níveis elevados para conter a transferência para os preços da depreciação do peso" argentino ante o dólar. Às 18h29 (de Brasília), a moeda americana recuava a 24,25 pesos argentinos.
Uma das únicas moedas emergentes a ser penalizada pelo dólar nesta sessão foi a lira turca. No mesmo horário citado acima, a divisa americana avançava a 4,6725 liras turcas.
Em relatório a clientes, a Capital Economics comenta ainda que "não há necessidade de entrar em pânico pela rupia" indiana. Os analistas da consultoria escrevem que a rupia continuou a se depreciar ante o dólar em maio, com baixa de mais de 6% em 2018. "De fato, pensamos que a rupia vai reagir contra o dólar nos próximos meses", afirmam, citando o déficit em conta corrente da Índia "muito menor agora comparado a 2013" e reservas em moeda estrangeira do país asiático "perto de recordes de alta".
Hoje, o dólar cedeu a 68,0340 rupias.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia