Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 22 de maio de 2018.
Dia do Apicultor.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Finanças

Notícia da edição impressa de 23/05/2018. Alterada em 22/05 às 22h36min

Demanda das empresas por crédito aumenta 5,7%

A demanda das empresas por crédito subiu 5,7% em abril no comparativo anual, segundo o Indicador Serasa Experian de Demanda das Empresas por Crédito. No acumulado do ano, a demanda cresceu 5,7%.
De acordo com os economistas da Serasa Experian, a retomada do crescimento econômico, ainda que em ritmo mais lento do que se esperava no início deste ano, combinada com a retração dos juros, tem estimulado a busca das empresas por crédito, que, em abril, cravou a sétima alta interanual consecutiva.
A maior busca por crédito em abril é atribuída ao comportamento das micro e pequenas empresas ( 5,9%). Nas médias empresas, houve alta, porém menor, de 2,4%. Nas grandes empresas, a demanda por crédito caiu 1,2% no período.
Em relação aos primeiros quatro meses de 2017, as empresas de serviços expandiram suas demandas por crédito em 8,2%. Nas empresas comerciais, a alta foi de 3,2% na mesma base de comparação, enquanto, nas empresas industriais, a expansão foi de 5,2%.
Por região, a demanda por crédito cresceu 5,9% no Sudeste, 8,2% Sul e 7,6% no Nordeste. Na direção oposta, a região Norte apresentou queda de 1,9%, e, no Centro-Oeste, declínio de 1,8%. No acumulado do ano, com exceção do Norte (-0,2%), todas as regiões mostraram avanço em suas demandas empresariais por crédito, com destaque para a região Sul, com alta de 13,4%.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia