Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado Financeiro

18/05/2018 - 18h00min. Alterada em 18/05 às 18h00min

Bolsas de Nova Iorque fecham na maioria em baixa com cautela

As bolsas de Nova Iorque fecharam em sua maioria em território negativo nesta sexta-feira (18), sem muito impulso, com o Dow Jones terminando o dia estável. A cautela com as incertezas no comércio global limitou o apetite por risco, mas algumas ações ainda assim avançaram.
As bolsas de Nova Iorque fecharam em sua maioria em território negativo nesta sexta-feira (18), sem muito impulso, com o Dow Jones terminando o dia estável. A cautela com as incertezas no comércio global limitou o apetite por risco, mas algumas ações ainda assim avançaram.
O índice Dow Jones ficou estável na variação porcentual, em 24.715,09 pontos, o Nasdaq recuou 0,38%, a 7.354,34 pontos, e o S&P 500 teve baixa de 0,26%, a 2.712,97 pontos. Na comparação semanal, o Dow Jones caiu 0,47%, o Nasdaq recuou 0,28% e o S&P 500 teve queda de 0,54%.
A tensão geopolítica foi impulsionada pelas propostas do novo governo da Itália e por dúvidas na negociação sobre o comércio entre os Estados Unidos e a Coreia do Norte. "Há no momento alguns incêndios que os investidores precisam levar em conta", comentou Olivier Marciot, gerente de ativos da Unigestion. "Ainda não achamos que isso será significativo por ora, mas haverá um forte vento contrário nos mercados acionários, enquanto o risco seguir forte como está."
Sinais recentes da inflação levaram investidores a ponderar que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) poderia conduzir um aperto monetário um pouco mais agressivo, o que também tende a pressionar os mercados acionários. Por ora, porém, esses riscos são contidos, na opinião de Ed Keon, estrategista-chefe de investimentos da QMA. "Acreditamos que a inflação subirá provavelmente de modo modesto, talvez mesmo um pouco acima da meta do Fed, mas não o suficiente para mudar o rumo atual ou causar grande problema nos preços das ações", diz o economista.
O quadro econômico nos EUA é bom neste momento, segundo analistas. "Todos estão buscando nuvens no céu, mas a perspectiva ainda é positiva", disse o estrategista-chefe da TD Ameritrade, JJ Kinahan.
Nesta sessão, contudo, o ambiente no mercado acionário foi em geral fraco, com a cautela. No caso do Dow Jones, a alta de alguns papéis importantes ajudaram o índice a terminar estável, como Boeing (+2,06%), Caterpillar (+1,31%), Home Depot (+1,13) e Johnson & Johnson (+0,31%). Por outro lado, ExxonMobil caiu 0,71% e Apple teve baixa de 0,36%.