Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 15 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 15/05 às 18h30min

Dólar tem alta com dado dos EUA, mas BC argentino contém escalada ante peso

O dólar teve alta quase generalizada nesta terça-feira (15) após os dados de vendas no varejo dos Estados Unidos de abril darem mais uma mostra de força da economia do país, mas uma nova intervenção do Banco Central da República da Argentina (BCRA) no câmbio manteve o peso argentino, pelo menos nesta sessão, fora da rota de escalada da divisa americana.
Perto do horário de fechamento em Nova Iorque, o dólar avançava a 110,38 ienes, enquanto o euro recuava a US$ 1,1843 e a libra esterlina descia a US$ 1,3509. Já o índice DXY, que mede o dólar ante uma cesta de outras seis moedas fortes, encerrou em alta de 0,68%, aos 93,219 pontos.
Em relação à divisa portenha, às 17h22 (de Brasília), o dólar cedia a 24,05 pesos argentinos, após tocar ao longo do dia a máxima de 25,01 pesos argentinos.
Logo de manhã, o Departamento do Comércio dos EUA anunciou uma alta mensal de 0,3% das vendas no varejo do país em abril e revisou o dado de março de +0,6% para +0,8%.
Por apontar para uma expansão do consumo em solo americano, o indicador intensificou entre investidores as expectativas por uma aceleração da inflação e, consequentemente, um aumento do ritmo do aperto monetário pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Essa perspectiva deu fôlego relevante ao dólar ao longo do dia.
Em Buenos Aires, diante das altas fortes recentes da divisa americana, o BC argentino entrou no mercado de câmbio já no primeiro minuto de negócios com uma oferta de US$ 5 bilhões, dos quais se estima ter vendido ao menos US$ 700 milhões, segundo informa o diário local El Cronista. A instituição também fez ofertas nos mercados futuros de câmbio.
As intervenções do BCRA contribuíram para conter a escalada do dólar, que, encerrando a 24,05 pesos argentinos, ficou 94 centavos de peso argentino abaixo do fechamento anterior. Mesmo assim, a moeda americana permanece em níveis historicamente altos ante a divisa do país sul-americano. (Com informações da Dow Jones Newswires)
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia