Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

relações internacionais

15/05/2018 - 11h13min. Alterada em 15/05 às 22h06min

Brasil investe na diplomacia para ampliar negócios na China

Encontro reuniu o ministro da Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, e o ministro chinês Wang Yi

Encontro reuniu o ministro da Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, e o ministro chinês Wang Yi


THIAGO COPETTI/ESPECIAL/JC
Thiago Copetti, de Pequim
Em roteiro pela Ásia, o ministro da Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, esteve reunido nesta terça-feira (15) com o ministro chinês Wang Yi, responsável pela mesma pasta em Pequim, em comitiva que ganhará reforço no roteiro internacional com a vinda de Blairo Maggi, da Agricultura, para a China. No encontro realizado nesta tarde (no horário chinês, com 11 horas de diferença do Brasil), Nunes não chegou a assinar nenhum novo acordo comercial, mas disse que estava na agenda “resolver alguns contenciosos”, sem detalhar os entraves dos quais trataria. Assegurou, porém, que as transações comerciais entre Brasil e China estão em seu melhor momento histórico.
Em roteiro pela Ásia, o ministro da Relações Exteriores do Brasil, Aloysio Nunes Ferreira, esteve reunido nesta terça-feira (15) com o ministro chinês Wang Yi, responsável pela mesma pasta em Pequim, em comitiva que ganhará reforço no roteiro internacional com a vinda de Blairo Maggi, da Agricultura, para a China. No encontro realizado nesta tarde (no horário chinês, com 11 horas de diferença do Brasil), Nunes não chegou a assinar nenhum novo acordo comercial, mas disse que estava na agenda “resolver alguns contenciosos”, sem detalhar os entraves dos quais trataria. Assegurou, porém, que as transações comerciais entre Brasil e China estão em seu melhor momento histórico.
Os negócios entre Brasil e China cresceram 29% em 2017 (alcançando US$ 74,8 bilhões), o que significa um recorde mundial. "Temos alguns contenciosos que podem ser completamente resolvidos, e é o que trataremos agora no Ministério do Comércio”, explicou Nunes ao Jornal do Comércio, após encontro com Wang.
Na reunião, tanto o representante do governo chinês quanto Nunes ressaltaram a importância do estreitamento das relações entre os dois países em um momento de turbulências e incertezas globais. Sem citar nomes, ficou implícito no ar a “instabilidade Trump”, que tem promovido guerras comerciais com a China e dificultado relações internacionais mundo a fora.
“O governo chinês está aberto para o Brasil a qualquer hora. Especialmente em um contexto cheio de incertezas globais, a boa relação dos dois maiores países do Leste e do Oeste e das duas maiores economias entre as nações desenvolvimento ajudem nessa estabilização”, ressaltou Wang.
Sobre a ampliação imediata de negócios, o ministro de relações internacionais do Brasil citou o aumento dos investimentos chineses no país - o que, segundo Nunes, conseqüentemente aumentará as transações bilaterais. Nunes também citou recentes vendas da Embraer para Pequim, assim como novas negociações que estão em aberto para a compra de mais aeronaves brasileiras.