Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

balanços

11/05/2018 - 19h46min. Alterada em 11/05 às 19h46min

Alpargatas tem lucro de R$ 112,8 milhões no 1º trimestre, queda de 37,2%

A Alpargatas registrou no primeiro trimestre de 2018 lucro líquido consolidado de R$ 112,8 milhões, o que significa queda de 37,2% sobre o mesmo período do ano passado.
A Alpargatas registrou no primeiro trimestre de 2018 lucro líquido consolidado de R$ 112,8 milhões, o que significa queda de 37,2% sobre o mesmo período do ano passado.
O Ebitda (lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) atingiu R$ 169,1 milhões entre janeiro e março, uma queda de 31,8% ante os R$ 247,9 milhões registrados no mesmo período do ano passado.
De acordo com dados divulgados nesta sexta-feira, 11, a receita líquida da Alpargatas subiu 11,7% no primeiro trimestre do ano, para R$ 902,1 milhões ante R$ 807,5 milhões no mesmo período de 2017.
Segundo o relatório que acompanha os resultados, o destaque foi o bom desempenho no Brasil, cuja receita líquida avançou 22,9% em decorrência dos crescimentos das receitas de todos os seus negócios, especialmente o de Sandálias.
O volume de vendas de Havaianas e Dupé superou em 33,1% o do primeiro trimestre do ano passado, ou 6,8%, se somados os 8,8 milhões de pares à quantidade vendida no primeiro trimestre de 2017, que foi antecipada para o quarto trimestre de 2016.
Como o negócio Sandálias ganhou participação na receita e apresentou incremento de rentabilidade, a margem bruta do Brasil foi 4,5 pontos porcentuais maior que a do primeiro trimestre de 2017. Já o Ebitda recorrente no Brasil aumentou 175,0% (desconsiderando os efeitos não recorrentes, como a exclusão do ICMS da base de cálculo da Cofins no primeiro trimestre do ano passado.