Porto Alegre, domingo, 15 de março de 2020.
Dia Mundial do Consumidor. Dia da Escola.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

11/05/2018 - 15h29min. Alterada em 11/05 às 15h28min

Ouro fecha em leve queda, com política monetária do Fed no radar

O contrato futuro de ouro oscilou entre leves ganhos e perdas nesta sexta-feira e fechou em queda, à medida que os investidores se atentam à possibilidade de taxas de juros mais altas pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
O contrato futuro de ouro oscilou entre leves ganhos e perdas nesta sexta-feira e fechou em queda, à medida que os investidores se atentam à possibilidade de taxas de juros mais altas pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano).
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para entrega em junho recuou 0,12%, para US$ 1.320,70 por onça-troy. Na semana, o metal precioso registrou ganho de 0,70%.
O dólar mais fraco torna o ouro mais barato para investidores que operam em outras divisas, já que o metal precioso é cotado em dólar. O índice DXY, que mede a moeda americana em relação a outras divisas principais, atingiu o maior nível do ano nesta semana, pressionando o ouro, mas alguns analistas esperam que ele se enfraqueça quando o ritmo de crescimento global sincronizado voltar a ganhar força. "O dólar realmente está por trás de muitos movimentos de commodities no momento", disse o analista Geordie Wilkes, da Sucden Financial.
Com os dados mornos de inflação nos Estados Unidos em abril, o dólar realizou lucros e diminuiu algumas preocupações de que um aumento nos preços ao consumidor maior que o esperado poderia dar ao Fed uma mão mais livre para elevar os juros mais rapidamente, fazendo com que os rendimentos dos Treasuries subissem mais fortemente e deixassem o ouro menos atrativo para os investidores.