Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 07 de maio de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

varejo

Notícia da edição impressa de 08/05/2018. Alterada em 07/05 às 20h21min

Atividade do comércio cai 0,1% em abril ante março

Dados de atividade compilados pela Serasa Experian mostram desaquecimento no movimento das vendas varejistas no País em abril. O movimento dos consumidores nas lojas do Brasil caiu 0,1% no quarto mês do ano em relação ao anterior, quando subiu 0,6%, com ajuste sazonal.
Em contrapartida, na comparação com abril de 2017, sem ajuste, houve crescimento de 7,2%. Ainda assim, esse resultado representa desaceleração quando se avalia a alta de 8,8% registrada em março de 2018 no confronto com igual mês do ano passado. O aumento do desemprego é um dos principais motivos que devem estar limitando as vendas no comércio no início do segundo trimestre, conforme analisam em nota os economistas da Serasa: "tende a tornar os consumidores mais cautelosos em relação a elevar seus gastos".
A queda de 0,1% apurada em abril ante março foi puxada pelo setor de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas, segundo a Serasa. No período em análise, o segmento apresentou recuo de 1,9%. Na sequência, aparecem a categoria de veículos, motos e peças, com taxa estável; e a de móveis, eletroeletrônicos e informática, que teve alta de apenas 0,1%. Em contrapartida, o setor de combustíveis e lubrificantes (0,4%) e o de tecidos, vestuário, calçados e acessórios (1%) cresceram em abril em relação ao mês anterior. O segmento de material de construção apresentou a maior expansão, de 1,6%.
Nos primeiros quatro meses deste ano, o segmento de móveis, eletroeletrônicos e informática foi o que mais cresceu (13,9%) no confronto com igual período do ano passado. Já o de veículos, motos e peças registrou alta de 6,1%, enquanto o ramo de supermercados, hipermercados, alimentos e bebidas avançou somente 0,1%.
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia